Vicente Loureiro sobre Bornier: “Com ele não havia sábado,domingo ou feriado”

abril 11, 2021 /

 

O arquiteto Vicente Loureiro, que trabalhou anos com o então prefeito Nelson Bornier, que faleceu hoje no hospital Badim, no Maracanã, vítima da covid-19, se despede dele com um depoimento que afirma as conquistas da cidade de Nova Iguaçu ao longo de seus mandatos populares. Loureiro, urbanista consagrado, fala de algumas caracterisiticas futuristas do perfil de Bornier e de como ele era um gestor exigente com os seus colaboradores.

 Bornier: o prefeito definitivo 

 Creio que foram 1945 dias que tive ao lado do prefeito Nelson Bornier, durante seus dois primeiros dois mandatos. Posso assegurar que foram todos esses dias, pois com ele não havia sábado, domingo ou feriado. Todo dia era dia para falar de Nova Iguaçu, seus desafios e possibilidades. Com as conquistas, e foram muitas, ele não perdia tempo, além das inaugurações de praxe. Estava sempre atento ao por fazer. O feito, mesmo quando bem feito ou inédito, não merecia dele muita atenção. Considerava passado. Importava o que ainda não havia sido entregue.Com ele o reconhecimento, o descanso e a recompensa podiam esperar. A urgência dos problemas de uma cidade com a nossa, exigia um engajamento extraordinário. Este talvez, o maior legado por ele deixado. Não creio que Nova Iguaçu tenha tido prefeito mais dedicado e com mais realizações do que ele. Nisso é ele incomparável.

Nesse tempo, não houve um dia sequer que um telefonema dele, antes das 7 horas da manhã,não me fizesse lembrar de um compromisso ou aquecesse uma cobrança sobre andamento deste ou daquele projeto ou iniciativa. Com ele esquecer era impossível. Não estar a postos e com os afazeres em dia inaceitável. Delegava o feito mas não o fato. Cobrava sempre ansioso por cada passo e etapa. Gostava da precisão e apreciava a qualidade. Tinha prazer em fazer acontecer. Rejeitava criar expectativas na população que não pudesse corresponder. Só divulgava um grande projeto quando estavam garantidos os recursos e demais condições para sua execução. Não me lembro, de ter ele, naquele período, prometido nada que não tivesse entregue. Tinha mania de honrar a palavra. Dizia, com certo orgulho, que era seu maior patrimônio na política.

Não cabe, neste momento da notícia do seu falecimento, listar todos os atos e marcos concretos plantados na cidade por ele, com seu jeito único de tocar um governo. São muitos, e já passados duas décadas, nenhum outro prefeito, conseguiu oferecer a cidade obras e ações tão estruturantes e definitivas, como as realizadas por ele. Críticas, ressentimentos e questionamentos existirão sempre. Na política, como na vida, não existe unanimidade e a coerência absoluta é sempre objeto de desejo da oposição. O que fica de sua passagem pela prefeitura são os feitos e fatos que ajudaram a fazer de Nova Iguaçu a cidade que temos hoje. Grande e complexa, mais cheia de vida e confiante no futuro. Nisso Bornier é insubstituível. A seu modo, ele dedicou a vida a ela, o tempo todo e intensamente, como só ele sabia fazer. Por isso siga em paz prefeito Bornier, Nova Iguaçu se faz agradecida. Obrigado por tudo.

* Vicente Loureiro foi Secretário de Urbanismo, Ambiente e de  Habitação de Nova Iguaçu. 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.