Versão 2021 do auxílio emergencial começa a ser paga hoje; fome cresce no Brasil

abril 6, 2021 /

Até o fim de abril, 40 milhões de brasileiros devem receber a primeira parcela. Ajuda financeira, no entanto, não compra metade da cesta básica do Rio de Janeiro, que custa R$ 592,25.

 

O novo auxílio emergencial começa a ser pago hoje. De acordo com o Ministério da Cidadania, 40 milhões de pessoas vão receber o benefício até o fim do mês e 2,3 milhões terão o recurso depositado ainda hoje. O auxílio, no entanto, não será suficiente para garantir a compra da cesta básica (para a alimentação de um adulto em um mês) desta vez. Por isso, na avaliação de especialistas, deve reduzir a pobreza e a fome, mas não na mesma proporção de 2020.

Neste ano, o auxílio emergencial terá quatro parcelas de, em média, R$ 250. Quem mora sozinho, no entanto, vai receber R$ 150 por mês. E as mulheres chefes de família, que, no ano passado, receberam até R$ 1,2 mil no auxílio, terão direito a R$ 375. O valor não cobre a cesta básica, que, segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), está variando de R$ 445,90 a R$ 639,81 nas capitais brasileiras.

 

Especialistas acreditam que o auxílio emergencial ajudará muitas famílias, mas não resolverá o problema da fome, que atingiu 19 milhões de brasileiros nos últimos três meses de 2020, de acordo com pesquisa da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan). Analista de Políticas e Programas da ActionAid no Brasil, Francisco Menezes afirma que a pesquisa foi feita quando o auxílio era de R$ 300, mas que os três meses iniciais de 2021 foram piores, porque as pessoas ficaram sem a ajuda financeira.

“Agora, será retomado para um número menor de pessoas e com uma redução no valor. Não vai dar para resolver o problema da fome, porque muitas pessoas já estão em insegurança alimentar e acumularam dívidas. Pode até piorar. É preciso repensar o valor do auxílio para não deixar uma parcela considerável da população em uma situação insustentável”, alerta Menezes.

Fome cresce no Brasil

Pela primeira vez em 17 anos, mais da metade da população não teve certeza se haveria comida suficiente em casa no dia seguinte, teve que diminuir a qualidade e a quantidade do consumo de alimentos e até passou fome.

São 116,8 milhões de pessoas nessa situação de insegurança alimentar no Brasil, de acordo com pesquisa divulgada na segunda-feira pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), que reúne pesquisadores e professores ligados à segurança alimentar.

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.