Vacinação contra covid-19 no Brasil começa até dia 20, diz Pazuello

janeiro 7, 2021 /

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, detalhou nesta quinta-feira (7/1) três possíveis datas para que a população brasileira comece a ser imunizada contra a Covid-19.

Na melhor das hipóteses, a vacinação contra a covid-19 no Brasil será iniciada até dia 20, afirmou hoje o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Esse prazo poderá, no entanto, se aproximar do início de março caso os pedidos de registro da vacina tenham algum atraso.

“Contamos com a vacina do Butantan e as importadas da AstraZeneca. Caso a Anvisa dê aval, estaremos entre 20 de janeiro e 10 de fevereiro [para iniciar a vacinação]”, disse Pazuello em pronunciamento à imprensa.A vacina do Butantan é a Coronavac, desenvolvida pelo laboratório Sinovac, que no país foi testada e será produzida pelo instituto paulista. Hoje o governo de São Paulo apresentou dados iniciais de eficácia (de 78%) e informou que o pedido de uso emergencial será apresentado ainda hoje à Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A vacina da AstraZeneca foi desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford e no Brasil será produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O ministro também tratou da questão da oferta de seringas para a vacinação. Segundo ele, a suspensão temporária da exportação do produto visou uma reserva para o mercado interno.

“Não há falta de seringas, mas não posso me furtar à lei. Não posso causar dano ao erário”, disse o ministro, ao tratar da recente suspensão da compra de seringas. A licitação será republicada, para 290 milhões de unidades.

100 milhões de doses da chinesa Coronavac

Durante a coletiva, Pazuello também anunciou que o governo federal irá adquirir 100 milhões de doses da Coronavac, imunizante que é desenvolvido pela farmacêutica chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.