UFRJ revoga o título de “Doutor Honoris Causa” concedido em 1973 a Jarbas Passarinho, um dos signatários do AI-5

abril 20, 2021 /

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) revogou o título de Doutor Honoris Causa concedido a Jarbas Passarinho em 1973. A votação nesta terça-feira (20) teve 34 votos a 2, com 8 abstenções. Como ministro de governos da ditadura militar, Passarinho assinou o Ato Institucional Número 5 (AI-5). O AI-5 foi um dos atos mais repressivos do regime militar, resultando na cassação de mandatos políticos e suspensão de garantias constitucionais.

O AI-5 foi baixado no dia 13 de dezembro de 1968, durante o governo de Costa e Silva, um dos cinco generais que governou o Brasil durante a ditadura militar (1964-1985). Na época, Passarinho era ministro do Trabalho. A reunião sobre o AI-5 foi gravada e uma frase de Passarinho na ocasião ficou célebre.

“Sei que a Vossa Excelência repugna, como a mim, e creio que a todos os membros deste conselho, enveredar para o caminho da ditadura pura e simples, mas parece que claramente é esta que está diante de nós. Eu seria menos cauteloso do que o próprio ministro das Relações Exteriores, quando diz que não sabe se o que restou caracterizaria a nossa ordem jurídica como não sendo ditatorial, eu admitiria que ela é ditatorial. Mas, às favas, senhor presidente, neste momento, todos, todos os escrúpulos de consciência”, disse.

A conselheira Júlia Vilhena, relatora da proposta para revogar o título, defendia que a homenagem era descabida.

“Ele não merece um título honorífico da UFRJ. Revogar esse título é estar ao lado da democracia e reafirmar o papel da UFRJ na história”.

Passarinho foi também senador, governador do Pará, presidente do Senado Federal e ministro das pastas de Justiça, Previdência Social, Educação e Trabalho. Jarbas morreu aos 96 anos em 2016.

     

    Paulo Cézar

    PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.