TJ-RJ aceita denúncia do Ministério Público no caso do incêndio no Ninho do Urubu

janeiro 20, 2021 /

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) aceitou a denúncia feita pelo Ministério Público (MP-RJ) no último dia 15 após a conclusão das investigações sobre o incêndio no Ninho do Urubu em 2019, que matou 10 adolescentes. O documento lista 11 réus e, entre eles está o ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello.

Os 11 réus responderão por incêndio culposo (sem intenção) qualificado, que terminou em morte e lesão corporal, no caso dos três jovens que sobreviveram. Como não foram denunciados por homicídio, e sim por incêndio culposo, eles não vão a júri popular.

Entre os 11 réus, estão:

Eduardo Bandeira de Mello – ex-presidente do Flamengo
Márcio Garotti – ex-diretor financeiro do Flamengo
Carlos Noval – ex-diretor da base do Flamengo, atual gerente de transição do clube
Luis Felipe Pondé – engenheiro do Flamengo
Marcelo Sá – engenheiro do Flamengo
Marcus Vinicius Medeiros – monitor do Flamengo
Claudia Pereira Rodrigues – NHJ (empresa que forneceu os contêineres)
Weslley Gimenes – NHJ
Danilo da Silva Duarte – NHJ
Fabio Hilário da Silva – NHJ
Edson Colman da Silva – técnico em refrigeração

Relembre o caso

Na madrugada de 8 de fevereiro de 2019, chamas invadiram as instalações onde dormiam os jogadores de base do Flamengo, com idades entre 14 e 17 anos, causadas pelo curto-circuito. O incêndio causou a morte de 10 jovens: Athila Paixão, de 14 anos; Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, 14 anos; Bernardo Pisetta, 14 anos; Christian Esmério, 15 anos; Gedson Santos, 14 anos; Jorge Eduardo Santos, 15 anos; Pablo Henrique da Silva Matos, 14 anos; Rykelmo de Souza Vianna, 16 anos; Samuel Thomas Rosa, 15 anos; Vitor Isaías, 15 anos.

Outros três garotos ficaram feridos: Cauan Emanuel Gomes Nunes, 14 anos; Francisco Diogo Bento Alves, 15 anos; Jhonatan Cruz Ventura, 15 anos.

Aloma Carvalho