Senadores elegem Omar Aziz presidente da CPI da Covid, que indica Renan Calheiros como Relator

abril 27, 2021 /

A manobra do governo Bolsonaro para impedir a eleição dos senadores Omar Aziz (PSD-AM) de Renan Calheiros (MDB-AL) para a presidência e relatoria da CPI da Pandemia, respectivamente, falhou apesar dos bolsonaristas tentarem dificultar o andamento da sessão de instalação do colegiado. Durante a sessão, Aziz indicou o senador Renan Calheiros (MDB-AL) como relator do colegiado.

Aziz teve 8 votos contra 3 de Eduardo Girão (Podemos-CE). O vice-presidente da CPI será o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), autor do requerimento para criação da CPI. “Vamos buscar a verdade, seja contra quem for”, afirmou o senador do PSD.

Pouco após o início da sessão de instalação da CPI, o senador Eduardo Braga (MDB-AM) informou que o desembargador Francisco de Assis Betti, presidente em exercício do TRF-1, havia derrubado uma liminar que impedia que o Renan assumisse a relatoria do colegiado, o que frustrou a manobra da base governista que não desejava que o emedebista ficasse com o cargo.

Um dos principais comandantes do centrão, Ciro Nogueira (PP-PI), também pediu que os trabalhos fossem suspensos alegando que alguns membros da CPI da Covid também integram outras comissões parlamentares de inquérito.  A alegação de que a situação feria o regimento interno da Casa não foi aceita pelo senador Otto Alencar (PSD-BA), que comandou a sessão.

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.