Rio poderá exigir passaporte da vacina dos turistas estrangeiros no carnaval

novembro 21, 2021 /

Preocupada com o aumento de casos da Covid-19 em outros países e já prevendo um grande número de estrangeiros no próximo carnaval, a capital fluminense prevê exigir o comprovante de vacinação de turistas que chegarem para a festa.

O secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, disse que a Prefeitura do Rio aguarda um posicionamento do Ministério da Saúde sobre a cobrança de passaporte vacinal de estrangeiros que aterrissarem na cidade antes e durante o carnaval. O pedido já foi feito, em outubro, mas, segundo a prefeitura, o governo federal ainda não deu seu parecer.

A declaração de Daniel Soranz foi dada durante uma audiência pública virtual da Comissão Especial do Carnaval da Câmara de Vereadores do Rio, presidida por Tarcísio Motta.

Soranz informou sobre a pendência após ser questionado pelo presidente da Comissão se ele já havia sugerido tal medida ao Ministério da Saúde e se o município estuda adotar algum tipo de passaporte vacinal em locais de hospedagem, uma vez que “os novos surtos (de Covid-19) que atingem vários países da Europa tornam importante a adoção de protocolos rígidos para o controle da entrada de turistas na cidade”.

Segundo Tarcísio Motta, os indicadores de monitoramento da pandemia para o carnaval apontam viabilidade para realização do carnaval na cidade. Porém, ele alertou para a lentidão da vacinação no Estado do Rio e no país como um todo, uma vez que o carnaval carioca atrai muitos turistas:

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.