Reforço inédito das operações Segurança Presente, Lei Seca e Marcha pela Cidadania e Ordem

novembro 18, 2020 /

Para garantir que as eleições municipais de domingo (15/11) ocorressem em clima de tranquilidade em todo o território do estado, o Governo do Rio de Janeiro mobilizou, pela primeira vez, equipes da Operação Segurança Presente, Operação Lei Seca e Marcha pela Cidadania e Ordem. Ao todo, 860 policiais militares, agentes civis e assistentes sociais fizeram patrulhamento nas proximidades de 143 locais de votação da capital, Niterói e Baixada Fluminense, reforçando o efetivo de 30.036 policiais empregado pelas secretarias de Polícia Militar e Polícia Civil. A experiência de eleições passadas, quando forças federais atuaram no estado, contribuiu para o planejamento do esquema de segurança deste ano.

Desencadeada pela Polícia Civil, a Operação Eleições Livres teve como foco principal em áreas do estado consideradas mais sensíveis, principalmente aquelas onde há atuação de milícias. Agentes de delegacias especializadas fizeram ações em bairros da Zona Oeste do Rio, como Campo Grande, Santa Cruz e Guaratiba, e na Baixada Fluminense, em municípios como Itaguaí, Seropédica e Magé. Pelo menos cinco pessoas ligadas a grupos paramilitares foram presas.

Em todo o estado, a Polícia Civil, que mobilizou 8 mil agentes, realizou 97 prisões durante as eleições. O trabalho dos agentes começou antes mesmo do dia de votação. Ainda na sexta-feira (13/11), agentes retiraram barricadas que impediam o acesso a seções eleitorais. Em São João de Meriti, 12 vias foram liberadas.

Durante o domingo, a Polícia Militar conduziu 43 pessoas para delegacias. Em uma das ocorrências, policiais do 25º BPM (Cabo Frio) detiveram, em Búzios, um homem com R$ 6.200, material de campanha e folha com anotações para distribuição do dinheiro

Os 22,036 PMs estiveram presentes em 4.892 locais de votação, além do patrulhamento de rua e estradas. Nesta eleição, pela primeira vez, aeronaves remotamente pilotadas (drones) foram usadas para auxiliar no esquema de policiamento.

Planejado em interlocução permanente com gestores de outros órgãos da área de segurança e do Poder Judiciário, entre os quais o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o modelo de policiamento foi concebido a partir das particularidades de cada área, levantadas pelos setores de inteligência dos órgãos envolvidos.

Neste domingo, o Centro Integrado de Operações Coordenadas foi ativado no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) sendo formado por equipes de 11 órgãos estaduais, municipais e federais: Polícia Militar, Polícia Civil, Secretaria de Administração Penitenciária, Corpo de Bombeiros, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Federal, Marinha, Exército, Guarda Municipal, TRE e Ministério Público.


Foto: Rogério Santana/Divulgação.

Aloma Carvalho