Polícias Civil e Militar ampliam integração para repressão às quadrilhas

setembro 3, 2020 /

 Grupos de pronta-resposta serão criados para reprimir criminosos  


As secretarias de Polícia Civil e de Polícia Militar ampliaram a integração para combater e reduzir o roubo de carga, principalmente na Região Metropolitana do Rio. Entre as medidas do novo modelo de ação operacional está a criação de grupos de pronta-resposta da Polícia Civil, baseados nas delegacias de áreas de maior incidência do crime, para atuarem com os policiais militares na repressão às quadrilhas. A operação conjunta terá início logo que o roubo for detectado, antes do registro efetivo da ocorrência. O planejamento foi apresentado nesta quarta-feira (02/09), em entrevista coletiva no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC), na Cidade Nova.

Para alimentar o banco de dados dos setores de inteligência das duas corporações com informações mais qualitativas e melhorar a performance da área operacional, os registros de ocorrência de roubo de carga passarão a incluir o local onde a carga roubada for retirada dos veículos. Outra medida prevista é a mudança na produção de dados divulgados mensalmente pelo Instituto de Segurança Pública (ISP). A ideia é que sejam divulgadas também informações sobre volume e valor da carga roubada, além do número de ocorrências.   

Nos primeiros sete meses do ano, foram registrados 3,1 mil roubos de carga, número 33% menor em relação ao mesmo período de 2019. Segundo o secretário de Polícia Civil, delegado Flávio Brito, mesmo com reduções contínuas e expressivas nos últimos meses, os índices de roubos de carga ainda impactam na segurança e na economia fluminense.

– Quando um cidadão compra uma mercadoria com preço abaixo do praticado no mercado, ele está alimentando financeiramente grupos criminosos e contribuindo para o aumento da incidência criminal – ressaltou Flávio Brito.

O secretário de Polícia Militar, coronel Rogério Figueredo, explicou que a redução dos roubos de carga no estado é resultado de duas ações principais: integração entre as polícias e ampliação do patrulhamento de vias expressas, com a participação de unidades especiais em apoio aos batalhões de área, tendo como base a leitura das manchas criminais.

– Criamos alguns programas de reforço no patrulhamento, como o Perímetro Verde, que abrange partes da Zona Norte e da Baixada Fluminense, e estabelecemos parcerias com Polícia Rodoviária Federal para intensificar o policiamento em rodovias federais que cortam a Região Metropolitana. Em breve, o CICC passará a contar com o cerco eletrônico: os operadores terão condições de monitorar os principais corredores viários da Região Metropolitana com imagens geradas por câmeras – anunciou Figueredo.

Além dos secretários de Polícia Civil e de Polícia Militar, participaram da entrevista o subsecretário de Integração Operacional da Polícia Civil, delegado Felipe Curi; o subsecretário de Gestão Operacional da Polícia Militar, coronel Marcelo Nogueira; e o delegado Henrique Damasceno, da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) da Polícia Civil.

 
Fotos: Divulgação

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.