Soldado Thiago Cesar de Lima deu cinco socos em Erika Satelis Ferreira de Lima e depois atirou três vezes nela, no domingo (3), em Perus, Zona Norte de São Paulo. Crime foi gravado por câmera de segurança. Homem foi preso por feminicídio e levado a presídio da PM

PM de folga agride esposa com socos no rosto e a mata a tiros após discussão em carro em SP

dezembro 7, 2023 /

Um vídeo mostra o momento em que um policial militar de folga dá cinco socos no rosto da esposa e depois saca a arma e atira três vezes nela após discutirem em um carro, na Zona Norte de São Paulo. O soldado Thiago Cesar de Lima foi preso em flagrante pela Polícia Militar (PM) pelo assassinato de Erika Satelis Ferreira de Lima. Ela foi atingida no peito por dois dos disparos.

O caso foi registrado no domingo (3) como feminicídio na 4ª Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) Norte. Thiago, de 36 anos, foi levado para o Presídio Romão Gomes, da PM, que fica na região. Erika tinha 33 anos e estava casada havia seis meses com Thiago. Ela deixa duas filhas de um relacionamento anterior.

Nas imagens, gravadas por uma câmera de segurança de um imóvel, é possível ver o carro parado na Rua Bananalzinho, em Perus.

Em seguida, Erika sai pela porta do motorista, dá a volta no veículo e abre a porta traseira. No banco de trás está Thiago. Ela tenta tirá-lo de lá, mas não consegue. Ambos saem do automóvel e começam a discutir do lado de fora.

Thiago aparece dando uma série de socos no rosto de Erika. Depois, ele dá tiros nela. A mulher cambaleia e bate a cabeça no porta-malas, caindo no chão. O soldado entra no carro e acelera o veículo, mas depois retorna e a arrasta até o veículo. Enquanto isso, moradores saem das suas casas para saber o que aconteceu na rua. E acompanham toda a ação.

As cenas, que circulam nas redes sociais, estão sob análise da Polícia Civil, que investiga o caso.

O homem levou a vítima até um hospital da região, o Pronto-Socorro de Taipas, onde a morte dela foi confirmada. Segundo o boletim de ocorrência do caso ele confessou ter atirado na esposa após uma discussão. Ele alegou que ela havia tentado pegar sua arma e por isso disparou contra ela. Mas não é isso o que as imagens mostram.

A pistola Glock calibre .40 do policial militar foi apreendida para perícia. A Corregedoria da PM foi acionada para apurar a conduta de Thiago. Ele também responderá criminalmente na Polícia Civil.

Em depoimento à Justiça PM diz que agora é ‘viúvo’

Thiago foi ouvido pela Justiça de São Paulo um dia após o crime, no Fórum Criminal da Barra Funda, Zona Oeste da capital.

A juíza Marcela Dias De Abreu Pinto Coelho, do plantão judiciário, ouviu o depoimento de Thiago como determina a lei para saber se ele sofreu alguma agressão quando foi detido pela PM e depois preso e indiciado pela Polícia Civil.

Como o policial militar não se queixou de nenhum problema durante sua prisão, a magistrada seguiu a orientação do Ministério Público (MP) e converteu a prisão em flagrante em preventiva, para que fique detido por tempo indeterminado ou até seu eventual julgamento por feminicídio. O soldado está atualmente no Presídio Militar Romão Gomes, na Zona Norte.

Na gravação da sessão na Justiça, que durou pouco mais de 3 minutos, Thiago foi ouvido pela juíza, pela promotora Fabiola Aparecida Cezarini e por sua defesa, que foi feita pelo advogado Hamilton Vale da Silva.

Em uma das perguntas feitas pela magistrada, ela indagou Thiago se ele era “solteiro ou casado”, e o soldado respondeu: “casado”. Em seguida, a juíza perguntou: “O senhor agora é viúvo?”. E o homem disse que “sim”.

Em outro momento da sessão, a juíza Marcela quis saber se o soldado da PM respondia a algum processo criminal, e ele afirmou que “sim”, na Justiça Militar, confirmando que era pela acusação de “abuso de autoridade”. Segundo Thiago, um outro policial agrediu um rapaz durante abordagem policial. E como ele estava junto, acabou sendo acusado também.

Thiago também confirmou que uma de suas ex-esposas teve uma medida protetiva dada pela Justiça contra ele. Ela é mãe de um de seus dois filhos. Ele tem um menino de 9 anos com ela e ficou proibido de se aproximar a menos de 100 metros de distância da mulher. A criança mora com a mãe.

A promotora Fabiola lembrou na audiência que Thiago foi acusado pela ex-esposa de agredi-la, ameaçá-la e estuprá-la. Segundo o portal G1, esses crimes foram cometidos, de acordo com a vítima, em maio de 2022, em Franco da Rocha, cidade da região metropolitana. Ela chegou a registrar boletim de ocorrência na delegacia. Em março de 2023 esse caso foi arquivado e extinto pela Justiça.

De acordo com a representante do Ministério Público, esse caso contra a ex-mulher no ano passado, juntamente com a nova acusação, agora de assassinato contra a atual esposa, a convenceram que Thiago tem de continuar preso.

Aloma Carvalho