Rio de Janeiro - 19-11-2018 - Inauguração do Centro de Operações Secundário (COPE-S), do Satélite Geostacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) do Rio de Janeiro. Foto: Carlos Magno

Pezão participa da inauguração do Centro de Operacionalização da COPE do RJ

novembro 19, 2018 /

O governador Luiz Fernando Pezão e o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, participaram nesta segunda-feira (19), da inauguração do Centro de Operações Espaciais Secundário (Cope-S), que atuará como backup da operação do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Estratégica (SGDC). Representantes do Ministério da Defesa, das Forças Armadas e da Telebras também estiveram presentes à cerimônia.

Rio de Janeiro – 19-11-2018 – Inauguração do Centro de Operações Secundário (COPE-S), do Satélite Geostacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) do Rio de Janeiro.
Foto: Carlos Magno

Em uma área de aproximadamente 25 mil metros quadrados na Estação de Rádio da Marinha, na Ilha do Governador (RJ), o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), vai permitir a transmissão de internet banda larga para todo o Brasil.

– Esse projeto é de grande importância. Significa geração de renda, de emprego de qualidade, com bons salários. Ter um laboratório como esse é a oportunidade para garantir uma banda larga em setores e lugares que parecem distantes, e não são. Há regiões que não tem internet com banda larga, não tem comunicação, não pega celular. Esse projeto é a garantia de que os postos de saúde, as escolas e o cidadão vão ter direito a ter, dentro da sua residência e pelo pacote que quiser adquirir, a informação que hoje é tão necessária. O grande anseio de diversos produtores rurais, de Friburgo, de Teresópolis, de Petrópolis, é ter uma internet banda larga nessas comunidades rurais. Fico muito feliz em propiciar ao estado do Rio a ser um dos primeiros estados a estar todo coberto com internet banda larga – comemorou Pezão.

O Centro de Operações Espaciais do Rio de Janeiro atuará em coordenação com o Centro de Operações Espaciais de Brasília, baseado na ALA 1. Caso haja alguma falha na operação do SGDC pela unidade do Distrito Federal, o Cope do Rio fica encarregado de operar e receber dados do satélite. As instalações vão ocupar mais de 7 mil metros. Com a conclusão da parte terrestre do projeto, incluindo o artefato satelital que já se encontra em órbita desde maio de 2017, o Estado passa a deter o controle sobre infraestrutura do satélite por meio da qual trafeguem informações sensíveis e estratégicas para o Brasil.

Fotos: Carlos Magno/divulgação

Aloma Carvalho