Pazuello: vacinação nacional contra Covid-19 começará às 10h de quarta-feira

janeiro 17, 2021 /

A enfermeira Mônica Calazans (foto) fala da emoção de ser a primeira pessoa vacinada contra covid-19 no Brasil

 

O ministro da saúde, general Eduardo Pazuello, informou hoje, no Rio, que começará nesta segunda-feira, às 7 horas, a distribuição aos estados e ao Distrito Federal, com o apoio das Forças Armadas, do  primeiro lote ( seis milhões de doses ) da vacina Coronavac. Ele confirmou que a vacinação nacional priorizará os profissisonais de saúde que estão na linha de frente do combate no enfrentamento da covid-19 e que começará às 9h da próxima quarta-feira (20).

Pazuello salientou que alguns estados receberão uma “taxa de risco”, referindo-se aos que registram números mais elevados de pacientes com coronavírus e vítimas fatais. O ministro, no entanto, não citou nominalmente estes estados na entrevista. A distribuição das vacinas aos municípios será feita pelos governos estaduais.

Seguindo o Plano Estadual de Imunização,  Vanuzia Costa Santos, 50 anos, é a primeira indígena vacinada do Brasil. Ela é Técnica de Enfermagem e Assistente Social. Mora na aldeia multiétnica Filhos dessa Terra, em Guarulhos -SP.

As aplicações começarão com a CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, em parceria com o laboratório chinês Sinovac. O Ministério da Saúde pediu à instituição, ligada ao governo de São Paulo, o envio de cerca de 6 milhões de doses a Brasília, para que o produto seja distribuído aos governos locais.

O outro imunizante aprovado para uso emergencial pela Anvisa, a vacina de Oxford, não está ainda disponível no país. O governo federal chegou a anunciar que 2 milhões de doses seriam trazidas da Índia, mas o plano atrasou. Pazuello afirmou que espera que o lote chegue ao país ainda no início desta semana.

 

Eduardo Pazuello criticou o governador de São Paulo, João Doria, por iniciar a vacinação contra a Covid-19, após a Anvisa autorizar o uso emergencial da Coronavac.

Pazuello disse que Doria agiu contra a lei, porque, segundo o ministro, todo o estoque do Instituto Butantã foi adquirido pelo Ministério da Saúde, e que por lei, cabe à pasta coordenar o plano nacional de imunização.

“Está pactuado com os governadores que todas as doses recebidas, são seis milhões de doses, serão distribuídas de forma proporcional aos Estados e entregues simultaneamente. A partir daí, iniciaremos a vacinação de forma igualitária em todos os Estados. Qualquer movimento fora dessa linha está em desacordo com a lei”, afirmou.

 

Butantan cancela venda da Coronavac para prefeituras

O Instituto Butantan informou neste domingo (17) e deve formalizar nesta segunda-feira (18), que todos os acordos para venda da vacina CoronaVac com prefeituras serão cancelados. De acordo com o presidente do instituto, Dimas Covas, todas as doses da vacina serão entregues ao Ministério da Saúde, já que a ANVISA aprovou o uso emergencial do imunizante.

No Paraná, Curitiba e Ponta Grossa tinham acordo para compra das vacinas. Em todo o País, 184 municípios procuraram diretamente a direção do Instituto Butantan para pedir a CoronaVac. Assim que o acordo for fechado com o Ministério da Saúde, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) assume a distribuição da vacina.

“O Instituto Butantan esclarece que todos os contratos firmados com o Ministério da Saúde possuem cláusula de exclusividade. Não há nenhuma novidade em relação a essa questão. A partir do momento em que o Butantan fornece as doses ao órgão federal, cabe ao Programa Nacional de Imunizações distribuí-las aos estados, conforme os quantitativos solicitados pelas Secretarias de Saúde, inclusive a de São Paulo”, diz nota do instituto.

 

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.