Pazuello pede para deixar o ministério da Saúde; médica Ludhmila Hajjar é a mais cotada para o cargo

março 14, 2021 /

O presidente Jair Bolsonaro vai trocar nos próximos dias o comando do Ministério da Saúde, hoje a cargo do general Eduardo Pazuello, segundo fontes do Planalto. A informação é dos repórteres Paulo Capelli e Natália Portinari, de O Globo. De acordo com esses interlocutores do presidente, o atual ministro comunicou a Bolsonaro estar com problemas de saúde e que, por isso, precisará de mais tempo para se reabilitar.

Pressionado,  o general Pazuello, terceiro ministro da Saúde em três anos do governo Jair Bolsonaro,  alega problemas de saúde e pediu para deixar a Pasta, acrescenta o noticiário do Globo.

Interlocutores do presidente Jair Bolsonaro  entraram em contato, pela manhã de hoje,  com dois médicos cardiologistas cotados para assumir o Ministério da Saúde: Ludhmila Abrahão Hajjar e Marcelo Queiroga. Bolsonaro se reuniu à tarde com Ludmila, que deverá ser confirmada.
Nota de Pazuello

O ministro da Saúde Eduardo Pazuello contestou há pouco as informações de que tenha pedido demissão por estar com problemas de saúde. Em resposta encaminhada em primeira mão ao blog da jornalista Christina Lemos ( R 7), o ministro declara: “Não estou doente! Continuo como ministro da Saúde até que o presidente da República peça o cargo. A minha missão é salvar vidas”. A frase foi ditada pelo ministro palavra por palavra para ser encaminhada à imprensa.

Pazuello ainda acrescentou: “pode ter uma substituição? Pode. O cargo é do presidente. Assim como o de qualquer ministro”. Mas até o presente momento, “segue a vida normal”, declarou. Amanhã, está prevista uma entrevista coletiva de Pazuello às 16h para um balanço da pandemia, com foco em Acre e Rondônia.

Quem é Ludhmila Hajjar, cotada para assumir o Ministério da Saúde

Médica coordenadora das UTIs de cardiologia do InCor e do Sírio-Libanês é contra cloroquina e a favor da vacina contra covid

Ludhmila tomou a CoronaVac

Ludhmila tomou a CoronaVac

Cotada para assumir o cargo de ministra da Saúde, a cardiologista e intensivista Ludhmila Hajjar, de 42 anos, nasceu em Anápolis, em Goiás, é é formada pela UNB (Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília), com residência médica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Ela é diretora de ciência e tecnologia da Sociedade Brasileira de Cardiologia e coordenadora das UTIs de cardiologia do InCor (Instituto do Coração) e do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, sendo considerada o braço-direito do cardiologista Roberto Kalil Filho, um dos nomes mais respeitados da cardiologia no país. Também é professora associada da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), da disciplina de cardiologia.

Ela chefiou a equipe médica do Hospital Sírio-Libanês que foi enviada à Santa Casa de Misericórdia, em Juiz de Fora, Minas Gerais, para avaliar o quadro de Jair Bolsonaro, então candidado à presidência da República, quando levou a facada, em 6 de setembro de 2018, para verificar se sua transferência a São Paulo seria viável. Bolsonaro foi transferido à capital paulista, mas acabou optando pelo Hospital Israelita Albert Einstein.

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.