Palácio Tiradentes recebe mostra em homenagem a Dante Alighieri

outubro 15, 2021 /

Antiga sede da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro por mais de 60 anos, o Palácio Tiradentes reabre suas portas para as artes e a cultura a partir da próxima terça-feira (19), após o longo período de pandemia. Para marcar a retomada do espaço, que se prepara para se tornar o mais novo Centro Cultural do estado, a população poderá visitar a “Exposição Dante Vale”, promovida pelo Consulado-Geral da Itália no Brasil, em homenagem aos 700 anos da morte do poeta italiano Dante Alighieri, eternizado em “A Divina Comédia”. A mostra foi inaugurada na noite desta quinta-feira (14/10) pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano (PT), e o cônsul-geral da Itália, Paolo Miraglia del Giudice, com a presença do governador Cláudio Castro, entre outras autoridades.

“Estamos abrindo as portas para essa belíssima exposição no palácio que tem a nossa memória da democracia em quase 200 anos”, disse o deputado André Ceciliano. Em sua fala, Castro também destacou a importância do Palácio Tiradentes para a arte e a cultura do Estado do Rio e parceria institucional com empresas italianas, que já fazem parte da economia carioca e fluminense. A exposição “Dante Vale” ocupará o Salão Nobre do Palácio Tiradentes até o dia 15 de janeiro de 2022, de segunda a sexta-feira, das 10h às 19h, e aos sábados, das 10h às 17h. A entrada será gratuita.

O cônsul-geral da Itália fez uma apresentação sobre a mostra e o significado de Dante para a cultura italiana. “O evento representa mais uma ação para o fortalecimento do intercâmbio cultural entre a Itália e o Estado do Rio”, comentou Paolo del Giudice. Também prestigiaram o evento os deputados Chiquinho da Mangueira (PSC), Luiz Paulo (Cidadania), Márcio Pacheco (PSC), Noel de Carvalho (PSDB) e Ronaldo Anquieta (MDB), o presidente do Tribunal de Justiça do Rio, desembargador Henrique Figueira, o procurador-geral de Justiça, Luciano Mattos; e o defensor público-geral Rodrigo Pacheco.

A Divina Comédia”, épica obra de Dante, é retratada na exposição por meio de 17 esboços originais de carros alegóricos que desfilaram em diferentes edições do carnaval de Viareggio, cidade italiana na região da Toscana, onde a festa popular tem 148 anos de tradição.

De forma satírica, as obras carnavalescas de Viareggio imprimem releitura moderna, com apelo político e social, do inferno, do purgatório e do paraíso dantescos, narrados no célebre livro que, há sete séculos, inspira gerações de artistas no mundo inteiro.

Em rápida explanação durante a cerimônia de abertura, o professor do curso de Línguas e Literatura Italiana da UFRJ, Carlos da Silva Sobral, pontuou que a obra de Dante não terminou de dizer o que tinha para dizer, não se exauriu após sete séculos. Ele disse, ainda, enxergar vestígios da obra de Dante no Carnaval brasileiro, na literatura e na música. “Machado de Assis também bebeu nessa fonte. Até o grupo de heavy metal Sepultura faz referências dantescas em ‘Dante XXI’, álbum lançado em 2016”, lembrou.

Ainda segundo o pesquisador, a universidade se debruça sobre estudos para decupar versos de ‘Garota de Ipanema’, de Vinicius de Moraes, traçando sua relação com o capítulo 21 de ‘Vita Nuova’, o pequeno livro que Dante Alighieri escreveu na juventude. “É importante mostrar como a cultura italiana se expande e penetra entre nós. Dante vive”, sentenciou.

Novo Centro Cultural

De acordo com o subdiretor do Departamento de Cultura da Alerj, Nelson Freitas, o Palácio Tiradentes vai se tornar um Centro Cltural com função museológica, assim como seus vizinhos – o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) e o Centro Cultural dos Correios, completando o corredor cultural existente no Centro do Rio. “Estamos desenhando o novo projeto do Palácio Tiradentes, que tem duas vertentes de ação: a política cultural que será realizada e as obras de reforma e modernização. São dois pilares que impulsionarão o novo plácio – A Casa da Democracia”, disse ele.

A inauguração da mostra Dante Vale contou ainda com a participação de importantes representantes da cultura fluminense como Suely Totarelli, diretora do CCBB; Ednor Medeiros, diretor do Centro Cultural Correios; Thiago Petra, diretor do Centro Cultural do Ministério da Saúde, e José Roberto Gifford, presidente da Funarj.

A “Divina Comédia”, épica obra de Dante, é retratada na exposição por meio de 17 esboços originais de carros alegóricos que desfilaram em diferentes edições do carnaval de Viareggio, cidade italiana na região da Toscana, onde a festa popular tem 148 anos de tradição.

De forma satírica, as obras carnavalescas de Viareggio imprimem releitura moderna, com apelo político e social, do inferno, do purgatório e do paraíso dantescos, narrados no célebre livro que, há sete séculos, inspira gerações de artistas no mundo inteiro.

Aloma Carvalho