Motoristas fazem paralisação e interrompem circulação do BRT

fevereiro 1, 2021 /

Uma paralisação de motoristas, iniciada na madrugada desta segunda-feira (1), interrompe os serviços do BRT do Rio. O que gerou inúmeros transtornos para os usuários do sistema. O Centro de Operações Rio chegou a decretar que a cidade entrou em estágio de atenção.

A manhã foi de filas enormes nos pontos atendidos pelo consórcio BRT e ônibus regulares superlotados. Devido a falta do transporte, os usuários são obrigados a procura por vans, por viagens de aplicativo, ou então pegar ônibus executivos -que custam cerca R$ 17. Além disso, de acordo com o “Bom Dia Rio”, há veículos circulando próximo a estações e chegam a cobrar R$ 10 de passagem.

Em nota, o BRT informou que a paralisação ocorre porque motoristas impediram a saída os ônibus das garagens:

“O BRT Rio informa que os serviços nos seus três corredores (Transoeste, Transcarioca e Transolímpica) foram interrompidos nesta manhã, devido à paralisação das atividades de alguns motoristas que impediram a saída dos ônibus das garagens. Embora a operação estivesse pronta para iniciar às 4h, o movimento acarretou irregularidades nos intervalos, inviabilizando a operação em todo o sistema”.

Sem dinheiro

No sábado (30), em nota, o presidente-executivo do BRT Rio, Luiz Martins, disse que o consórcio não tinha recursos em caixa “sequer para pagar a segunda parte do salário de janeiro”, prevista para esta sexta-feira (5).

A BRT Rio culpa os impactos da pandemia pela crise financeira. “Nos primeiros meses da pandemia, o BRT Rio trabalhou com queda de até 75% no número de passageiros. Hoje, 11 meses depois do início do combate à covid-19, a queda de passageiros está na faixa de 45% em relação ao período anterior à pandemia. A perda de receita entre março de 2020 e janeiro de 2021 atingiu R$ 200 milhões”, afirmou.

Aloma Carvalho