Importação da vacina da Janssen para o Brasil é adiada

junho 14, 2021 /

Para acelerar a vacinação contra o coronavírus SARS-CoV-2 no Brasil, o Ministério da Saúde aguardava o recebimento das primeiras 3 milhões de doses da vacina da Janssen  — braço farmacêutico da Johnson & Johnson — para a terça-feira (15). No entanto, a importação foi adiada e ainda não há um prazo para o novo recebimento dos imunizantes contra a COVID-19.

“A pasta aguarda confirmação da data por parte do laboratório, mas a expectativa é de que as doses cheguem ainda esta semana ao país em três remessas”, afirmou o Ministério da Saúde, em nota. Dessa forma, é possível que o carregamento inicial de vacinas contra a COVID-19 chegue ainda nesta semana, já que se trata de uma suspensão temporária de importação da vacina de dose única.

Questão da validade das doses da vacina da Janssen

Vale lembrar que o lote de doses da vacina da Janssen era um adiantamento que a Saúde conseguiu. Isso porque o contrato oficial de compra dos imunizantes contra a COVID-19 previa o recebimento de 38 milhões de doses, mas somente entre os meses de julho e dezembro deste ano. Além disso, o produto seria enviado próximo ao prazo de vencimento, previsto para o dia 27 de junho.

Nos Estados Unidos, a farmacêutica da Johnson & Johnson conseguiu prorrogar este prazo de validade. Após análise da agência federal norte-americana Food and Drug Administration (FDA), o lote que seria enviado para o Brasil segue válido, agora, até o dia 8 de agosto.

No Brasil, a empresa fez um pedido semelhante para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), já que o prazo de validade do produto autorizado é de três meses. Nesse caso, a Janssen solicitou uma prorrogação da validade para o total de 4,5 meses. No entanto, a Anvisa ainda não deu seu parecer. Para garantir a distribuição das doses, a Saúde chegou a anunciar que apenas capitais brasileiras as receberiam, o que facilitaria o esquema de distribuição.

 

fonte: Folha de SP

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.