Fux antecipa para quarta-feira o julgamento no STF da CPI da Covid-19

abril 10, 2021 /

 Bolsonaro ( foto) voltou a cobrar o impeachment de ministros do STF

O ministro Luiz Fux, presidente do Supremo Tribunal Federal, antecipou para a próxima quarta-feira (14) o julgamento sobre a CPI da Covid. Autor da liminar que determinou ao Senado a instalação da comissão, Luís Roberto Barroso havia submetido sua decisão ao aval da Corte no plenário virtual.

Os ministros começariam a votar na sexta-feira. E teriam prazo até 26 de abril para se manifestar. Optou-se por abreviar a decisão. Em nota, Fux diz que Bolsonaro “passou dos limites” em ofensas a Barroso.

Após conversar com os colegas, Fux incluiu o caso como primeiro item da pauta da sessão de quarta. Avaliou-se que a relevância do caso justifica a urgência. Fontes garantem que a liminar será avalizada pelo plenário. Barroso já havia conversado previamente com todos os ministros.

Na mesma quarta-feira, o Supremo julgará os agravos do caso Lula, de relatoria do ministro Edson Fachin. Neste caso, está em jogo a decisão do relator da Lava Jato que anulou as condenações impostas a Lula pela força-tarefa de Curitiba, transferindo os processos para a Justiça Federal de Brasília.

Bolsonaro: “é uma interferência sem cabimento’

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), voltou a manifestar insatisfação e crítica à decisão de instalação de CPI no Senado.

Na noite desta sexta (9), Bolsonaro disse a apoiadores que a ordem do ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), sobre CPI, “é uma interferência sem cabimento para atingi-lo.

No embalo, ele também criticou a gestão de governadores na crise.

“Eu dei dinheiro para os caras. Uns sumiram com o dinheiro e eu sou investigado?”.

 

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.