Flamengo e Internacional revivem 1987 em ‘final antecipada’ no Maracanã

fevereiro 18, 2021 /

 

*Clebio Luiz

O assunto da semana no meio futebolístico é um só: a “final antecipada” entre Internacional (69 pontos) e Flamengo (68). O jogo será disputado domingo (21), às 16h, no Maracanã sem torcida por conta da pandemia. O Colorado terá o desfalque do zagueiro Victor Cuesta (levou o terceiro cartão amarelo contra o Vasco). Já o rubro-negro terá o time completo, com Rogério Ceni estudando algumas variações táticas. Os torcedores mais antigos do Flamengo lembram de 1987, quando o time foi campeão da Copa União vencendo o Internacional.

Bebeto fez dois gols na decisão contra o Internacional e Zico foi um dos destaques do time

Com Arrascaeta e Gabigol recuperados, o Flamengo vai com tudo para cima do Internacional, que tem a bola aérea como uma de suas principais jogadas. Para tentar anular essa arma do Colorado, Rogério Ceni estuda colocar Gustavo Henrique na zaga – 1,96m de altura – retornando William Arão para o meio campo em lugar de Diego. A justificativa é que Arão tem mais mobilidade para marcar.

O time que deverá enfrentar o Internacional deverá ir a campo com: Hugo Souza, Isla, Rodrigo Caio, William Arão (Gustavo Henrique), Filipe Luís; Diego (William Arão), Gérson, Everton Ribeiro e Arrascaeta; Gabigol e Bruno Henrique.

Taffarel se destacou no Internacional de 1987 e na seleção brasileira. Luís Carlos Winck era outra estrela daquele time

Taffarel se destacou no Internacional de 1987 e na seleção brasileira. Luís Carlos Winck era outra estrela daquele time

Internacional

Com 101 gols marcados em 66 jogos na temporada (sendo 24 de cabeça), o Internacional de Abel Braga foi se aproveitando do tropeço dos adversários para chegar à liderança. Dono da melhor defesa do campeonato, juntamente com o Palmeiras, com 33 gols sofridos (as piores são as do Botafogo e Goiás, cada uma com 60), o Colorado não terá no domingo o zagueiro Victor Cuesta, suspenso. Abel decidirá entre Zé Gabriel, Pedro Henrique ou Jussa. Outra dúvida é Rodinei. O lateral pertence ao Flamengo e, caso o Inter queira escalá-lo domingo, terá de pagar multa de R$ 1 milhão. A opção de Abel é escalar o garoto Heitor.

Bebeto fez gols nos jogos da decisão

É inevitável a comparação da partida de domingo com a final da Copa União de 1987, quando o Flamengo foi campeão em cima do Internacional no Maracanã. Bebeto marcou o gol da vitória. No Beira Rio, o primeiro jogo foi 1×1.

O Flamengo já foi campeão em cima do Internacional. O duelo decidiu o título da Copa União de 1987, o Campeonato Brasileiro daquele ano. O primeiro jogo da final, no Beira-Rio, foi 1 a 1 (Amarildo marcou para o Colorado e Bebeto empatou para o Fla). No Maracanã, com um gol de Bebeto, o Rubro-Negro fez a festa e conquistou o título.

Para chegar à final, o Flamengo teve que superar um outro timaço: o Atlético – MG, que era comandado por Telê Santana. E era um timaço: João Leite, Chiquinho, Batista, Luizinho e Paulo Roberto; Éder Lopes, Vander Luís e Marquinhos; Sérgio Araújo, Renato e Marquinho Carioca.

Integrante do grupo do Atlético, o Flamengo só se classificou porque foi o segundo colocado da chave na soma dos dois turnos. O rubro-negro também tinha um excelente time: Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Edinho e Leonardo; Andrade, Aílton e Zico; Renato Gaúcho, Bebeto e Zinho. Em 1987, o Internacional ganhou um turno e o Cruzeiro venceu o returno. O regulamento previa dois grupos de oito clubes que jogavam chave contra chave em turno e returno. No final de tudo, o Internacional venceu o Cruzeiro na semifinal (gol de Amarildo de cabeça, na prorrogação) e ganhou o direito de enfrentar o Flamengo.

Na final, o Flamengo jogou com: Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Edinho e Leonardo; Andrade, Ailton, Zinho e Zico (Flávio), Bebeto e Renato Gaúcho. Carlinhos era o técnico.

O Internacional foi vice-campeão com: Taffarel, Luís Carlos Winck, Aluísio, Nenê e Paulo Roberto (Beto); Norberto, Luís Fernando e Balalo; Heider (Manu, Amarildo e Brites. Ênio Andrade era o treinador.

Fotos: arquivo/internet

 

*Clébio Luiz é jornalista

Aloma Carvalho