Depois de 13 anos afastado, Juventude volta à Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro

fevereiro 27, 2021 /

 

O tetracampeão Cafu  ( foto em destaque) jogou duas partidas pelo Juventude quando voltou do Zaragoza

 

* Por Clébio Luiz

Treze anos de jejum. Este foi o tempo que o Juventude de Caxias do Sul ficou afastado da Série do Campeonato Brasileiro. O acesso à elite foi conseguido no dia 30 de janeiro, quando Renato Cajá marcou o gol da vitória sobre o Guarani, em Campinas, dando o terceiro lugar à equipe de Caxias do Sul. Com 107 anos de existência, o Juventude tem um título nacional de expressão: a Copa do Brasil de 1999, vencida em cima do Botafogo. Para a Série A de 2021, o time gaúcho não contará com seu principal jogador na campanha da Série B: Renato Cajá. O meia não acertou a renovação do contrato.

O Juventude vai para a Série A sem o técnico Pintado, que foi substituído por Marquinhos Santos. Além disso, a equipe da Serra Gaúcha terá que definir a situação contratual dos seguintes jogadores: Marcelo Carné, Emerson, Igor, Eltinho, Gustavo Bochecha, João Paulo, Éverton, Capixaba, Roberto e Bambam. Na Série B o time ficou em terceiro lugar, com 61 pontos. Em 38 jogos na Série B de 2020, o Juventude disputou 38 jogos, venceu 17 partidas, empatou 13, perdeu 5, marcou 52 gols e sofreu 42.

A torcida do Juventude foi às ruas para festejar a volta à elite do futebol brasileiro

 

NO último jogo, que garantiu a classificação à Série A, o Juventude atuou com:  Luis Carlos; Luis Ricardo, Augusto, Emerson Silva e Eltinho (Hélder); João Paulo, Gabriel Bispo e Renato Cajá (Gustavo Bochecha); Matheuzinho (Everton), Rafael Grampola (Rogério) e Capixaba (Igor). Pintado foi o treinador.

Fusão com o Flamengo não deu certo

 Fundado em 1913, o Juventude nasceu vinculado ao Social Recreio da Juventude, mas se desligou em 1915. O clube começou a se estruturar e a crescer. Na década de 1920, vencia todos os campeonatos de Caxias do Sul. Em 1940 começou a construir o seu estádio (de madeira) denominado Quinta dos Pinheiros, que em 1954 foi rebatizado de Alfredo Jaconi, em homenagem a um de seus maiores dirigentes.

O Juventude nasceu de uma “rebeldia” de casados e solteiros do Clube Juvenil, que se sentiam discriminados. Em função disso surgiu o clube rival denominado Recreio da Juventude, em 1912. Inicialmente, a agremiação só admitia solteiros. Em 29 de junho, incentivados pelo inglês John Tibbtiz, os associados fundaram o Sport Club Foot Ball Juventude, que permaneceu vinculado ao Recreio até 1915.

Felipão jogou no Caxias do Sul e dirigiu o Juventude

No início de 1970, o Juventude chegou a se fundir ao Flamengo (atual SER Caxias). A fusão fracassou e, em 1973, o Juventude estava sozinho e o Flamengo se tornava o SER Caxias.

Cinco anos depois conquistou o título de campeão da Copa Governador do Estado do Rio Grande do Sul, repetindo a façanha em 1976. O Juventude foi o primeiro cube do Rio Grande do Sul a conquistar um tetracampeonato do Interior Gaúcho (1993-1996). Em 2000, disputou a Libertadores da América e, em 2005, a Sul-Americana.

Título inédito no Maracanã

O principal título do Juventude foi conquistado em 1999, no Maracanã, quando a equipe gaúcha disputou a final da Copa do Brasil com o Botafogo. Na primeira partida, no Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, o Juventude venceu por 2×1. Na segunda partida, a equipe segurou o 0X0 e ficou com o título.

No primeiro jogo, o Juventude começou pressionando o Botafogo e abriu vantagem de 2X-0 com gols de Fernando Rech, aos 14 minutos, e Márcio Mixirica, aos 21. No finalzinho do primeiro tempo, Bebeto descontou para o Botafogo. O jogo era quente e os ânimos se exaltaram. O zagueiro botafoguense Sandro e o meia Wallace brigaram e foram expulsos, deixando cada equipe com 10 jogadores. No segundo tempo, o zagueiro Capone levou cartão vermelho e foi expulso. O Juventude ficou com nove jogadores e segurou o resultado. O Botafogo teve dois gols anulados pelo árbitro Márcio Rezende de Freitas.

Na segunda partida, no Maracanã, com mais de 100 mil pessoas, o Juventude entrou para se defender e segurou o resultado de 0X0, levando assim o troféu da Copa do Brasil para Caxias do Sul.

No jogo final, Juventude e Botafogo disputaram a final com os seguintes jogadores:

Juventude: Émerson, Marcos Teixeira, Indio, Picoli e Denis, Roberto, Lauro (Kiko), Flávio e Mabília (Gil Baiano); Maurílio e Márcio Mixirica (Alcir).

Botafogo: Wágner, Fábio Augusto (Leandro Ávila), Bandoch, Jorge Luís e César Prates; Júnior, Reidner, Caio (Rodrigo) e Sérgio Manoel; Bebeto (Felipe) e Zé Carlos. Técnico: Gílson Nunes.

 

Grandes ídolos: Lauro, Thiago Silva, Cafu, Dante e Felipão

Com mais de 500 jogos pelo Juventude, o volante Lauro é ídolo da torcida em Caxias do Sul

 

Um dos jogadores que mais atuou pelo Juventude foi o volante Lauro. Nascido em Alegrete, ele marcou época na equipe de Caxias do Sul. Campeão da Copa do Brasil de 1999, Lauro teve três longas passagens pelo Juventude. A primeira foi de 1993 a 1998; a segunda, de 1999 a 2001; e a terceira de 2004 a 2010.

Lauro era um jogador adorado pela torcida, pois tinha uma identificação com o Juventude. Ele participou de 517 jogos pela equipe de Caxias do Sul. O último foi um amistoso contra o Grêmio, em 2010. Pelo Juventude ele conquistou os seguintes títulos: Campeonato Brasileiro – Série B (1994); Campeonato Gaúcho (1998); e Copa do Brasil (1999). Lauro ainda jogou pelo Palmeiras, onde foi campeão da Copa Mercosul (1998); Paulista, Grêmio, Ulbra, Esportivo e Garibaldi.

 

Feras da Seleção

 

Muita gente não sabe, mas o zagueiro Thiago Silva, que fez tanto sucesso no Fluminense, seleção brasileira e clubes europeus, disputou a Série do Campeonato Brasileiro pelo Juventude, em 2004. Depois, ele se transferiu para o Porto.

Thiago Silva, da Seleção Brasileira, jogou no Juventude em 2004 antes de ir para o Porto

Outro craque da Seleção Brasileira que também vestiu a camisa do Juventude foi o lateral pentacampeão Cafu. Em 1995, ele teve uma rápida passagem pelo time, que era patrocinado pela Parmalat, que o comprou do Zaragoza da Espanha, repassando-o depois ao Palmeiras, clube que também tinha apoio financeiro da Parmalat. Ele jogou apenas duas partidas pelo Juventude. O zagueiro Dante, que jogou a Copa do Mundo de 2014, atuou no Juventude de 2001 a 2004.

 O zagueiroDante, ex-Seleção Brasileira, jogou de 2001 a 2004 no Juventude antes de ir para a Europa

O ex-técnico da seleção brasileira de futebol, Luis Felipe Scolari, que foi zagueiro, também passou pelo Juventude. Em 1981, Felipão assumiu como técnico nas categorias de base. Um ano depois, já estava na equipe principal, onde ficou até 1983.

 

*Clébio Luiz é jornalista

fotos: Divulgação

 

 

 

 

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.