Corpo da menina Kemilly Hadassa Silva foi encontrado dentro de um saco de ração às margens de um rio em Cabuçu

Corpo de menina de 4 anos que estava desaparecida em Nova Iguaçu é encontrado em saco de ração

dezembro 11, 2023 /

A menina de 4 anos que estava desaparecida no Rio de Janeiro teve o corpo encontrado pela polícia, enterrado às margens de um valão, na localidade Beira Rio, no bairro Cabuçu, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A corporação chegou até o local, na noite desse domingo (10/12), após o suspeito, que é parente da vítima, indicar o local e confessar a participação na morte da criança.

Um tio da menina Kemilly Hadassa Silva fez o reconhecimento do corpo, que foi colocado dentro de um saco de ração, antes de ser enterrado, em um lixão. A criança estava desaparecida desde a madrugada de sábado (8/12).

Ela sumiu enquanto dormia com os dois irmãos, de 8 e 7 anos, na casa onde moram, a poucos metros do local do crime.

Relação de parentesco com a menina

O suspeito do crime, Reynaldo Rocha Nascimento, seria primo da mãe da menina e, de acordo com a polícia, teve a ajuda da própria mãe para matar a criança.

Na manhã desse domingo (10/12), durante o trabalho da perícia, foram encontrados vestígios de sangue na casa da família do acusado, que, após quase ser linchado por populares, foi conduzido à 56ª DP (Comendador Soares) para prestar depoimentos.

Primo da mãe de Kemilly foi preso por estuprar e matar a menina | foto: Divulgação

Segundo a polícia, o criminoso contou que a retirou de casa, pois sabia que estaria sozinha. Em seguida, a estuprou. Reynaldo disse, ainda, que para evitar ser descoberto com o choro da menina, a enforcou e escondeu o corpo em um saco de ração.

Segundo as investigações, a menina foi morta na madrugada de sábado (9), horas depois de ser levada. Reynaldo foi localizado e agredido por vizinhos na manhã de domingo. Ele foi levado para a DP e posteriormente encaminhado à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF). Na especializada, o rapaz apontou o lugar onde teria ocultado o cadáver.

O crime chocou a população que protestou em frente à delegacia pedindo por justiça.

O corpo será encaminhado ao Instituto de Medicina Legal (IML), de Nova Iguaçu, onde passará por exames cadavéricos. Os acusados foram conduzidos à Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), em Belford Roxo, onde prestarão novos depoimentos e ficarão à disposição da Justiça.

Ausência da mãe

A mãe da menina, Suellen Silva Roque, de 29 anos, relatou à polícia ter saído de casa, por volta das 0h30 do último sábado (9/12), para ir a um evento de forró, e deixado as três crianças dormindo sob os cuidados da irmã, que mora em uma casa geminada.

Ao retornar do evento, por volta das 5h, Suellen contou ter percebido a ausência da filha na residência.

Terrenos baldios, áreas de matagal, casas abandonadas, ruas e praças, além de abrigos e hospitais da região foram vasculhados durante o trabalho de buscas à menina Kemilly Hadassa, que mobilizou familiares, amigos e vizinhos.

A família teve acesso às câmeras de algumas residências e comércios do bairro, mas não conseguiu obter imagens da criança. De acordo com familiares, o acusado se aproveitou do fato de conhecer a rotina da família e da ausência da mãe para retirar a menina da casa.

Aloma Carvalho