Sindicalistas da CUT e simpatizantes de Bolsonaro brigam na visita de Lula a Nova Iguaçu

dezembro 7, 2017 /

A Polícia Militar teve que intervir várias vezes para evitar um conflito maior entre sindicalistas da CUT e militantes do PT que partiram para briga hoje com simpatizantes do deputado federal Jair Bolsonaro, às 18 horas, na esquina do calçadão da Avenida Marechal Floriano Peixoto com a rua Luís Guimarães (antiga Treze de Maio) a menos de 100 metros do palanque montado para o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva encerrar sua caravana pela Baixada Fluminense. Houve trocas de  socos e  pontapés, seguidos de xingamentos de ambos os lados, mas ninguém ficou ferido. Antes do discurso, o ex-presidente Lula  foi homenageado por diversas pessoas que foram levadas ao palanque para falar bem dos programas sociais cridos em seu governo.

Lula, referindo-se aos que roubaram o País recentemente,  afirmou que “quem roubou tem que ser preso, ir para a cadeia depois de ser investigado e condenado, mas com amplo direito de defesa”. Ele não poupou críticas ao Presidente Temer, à anunciada reforma da previdência e à Rede Globo, seus principais alvos na fala que não chegou a empolgar sua própria militância. Ao ter seu nome anunciado como orador, o senador Lindbergh Farias (PT- RJ) foi vaiado por muitos e aplaudido por poucos.

Senador Lindberg Farias e o ex-presidente Lula no palanque / Foto: Divulgação

No entanto, Lula, líder nas pesquisas de intenção de voto para eleição presidencial de 2018 (o segundo colocado é o deputado federal Jair Bolsonaro), em nenhum momento citou nomes dos três ex-governadores do Rio (Sérgio Cabral, Rosinha Garotinho e Anthony Garotinho, seus aliados em momentos diferentes), presos pelos mais variados crimes. Lula está condenado a 9 anos e seis meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, mas está em liberdade até que a Corte de Apelação do Tribunal Federal da 4ª Região julgue o recurso de seus advogados no processo em que foi condenado por corrupção e lavagem e dinheiro no caso triplex. A previsão é que a sentença seja confirmada ou reformada no final de março de 2018.

Cerca de 500 pessoas (a maioria militantes do PT, da CUT, PC do B ,do PSB e de grupos de diversos movimentos sociais), estiveram na praça Rui Barbosa. Três viaturas da PM e agentes de trânsito não impediram que as ruas próximas ficassem congestionadas durante a permanência de Lula em Nova Iguaçu. Por causa da briga entre os grupos de Lula e de Bolsonaro, parte do comércio preferiu fechar as portas mais cedo. Antes, Lula esteve em Maricá, Itaboraí, Duque de Caxias e em Belford Roxo.

Aloma Carvalho