São João de Meriti bate vacina cerca de 900 animais durante a Campanha de Vacinação Antirrábica

abril 15, 2021 /

A Prefeitura de São João de Meriti, por meio da Subsecretaria de Vigilância em Saúde, deu início hoje (14), ao segundo mês de Campanha de Vacinação Antirrábica, que aconteceu na Vila Olímpica do município. Ao longo do dia, 870 animais, sendo 182 gatos e 688 cães foram vacinados.

O evento vai ocorrer em mais duas datas durante o mês de abril, nos dias 19 e 28, nos bairros de Éden e de Coelho da Rocha, respectivamente. Durante a campanha, a equipe do Setor de Zoonoses se desloca para locais previamente informados à população para a vacinação de cães e gatos no combate à raiva, doença letal que não possui tratamento. A única forma de prevenção é a vacinação anual.

A bióloga da Subsecretaria de Saúde Patrícia Helena conta que a população meritiense ganhou muito com a campanha mensal no combate à raiva animal, principalmente em um momento tão delicado de pandemia: “Essas iniciativas têm como objetivo prevenir uma doença que pode ser fatal para os nossos bichinhos. Além disso, é direito de todos o acesso a esse tipo de iniciativa que a gestão do Dr. João vem incentivando e enaltecendo, pela causa animal”.

Devido ao período de pandemia de covid-19, algumas medidas de segurança são obrigatórias na hora de vacinar seu pet, entre elas: comparecer obrigatoriamente de máscara, manter o distanciamento social, seguir as recomendações dos organizadores e ir apenas uma pessoa da família (exceto se for vacinar mais de um animal).

Cães e gatos podem ser infectados pelo coronavírus

Estudo realizado por pesquisadores do Hospital Naval Marcílio Dias, apontou que cães e gatos podem ser infectados pelo coronavírus. A equipe encontrou uma taxa de positividade de 11,25% nos 311 animais testados, no levantamento com a maior amostragem sobre o Sars-CoV-2 e bichos de estimação já realizado no país. Veja como protegê-los:

Cuidados que valem para o ser humano também valem para os pets, como isolamento, em casos de infecção, e evitar aglomerações. A primeiro-tenente Shana Barroso, bióloga virologista do Hospital Marcílio Dias e especialista em vírus respiratórios, que é a pesquisadora à frente do estudo, recomenda também não permitir contato dos animais com desconhecidos.

É importante ressaltar que cães e gatos podem ser infectados se ficarem no mesmo ambiente que uma pessoa contaminada, mas o contrário não acontece, ou seja, eles não transmitem o vírus para os seres humanos. A significativa positividade detectada no estudo é um indicador da elevada disseminação da pandemia, já que não foram testados especificamente pets de tutores que tiveram Covid-19, o que aumentaria a chance de haver bichos com o vírus.

Os animais testados são de São João de Meriti. Os testes foram realizados com a autorização dos tutores, pela técnica padrão ouro para detectar Sars-CoV-2, o exame molecular de RT-qPCR.

Ao todo, 251 cães e 60 gatos foram selecionados ao serem levados ao veterinário para consultas de rotina ou vacinação. Dezenove cachorros e seis gatos tiveram resultados positivos.

A pesquisadora ressalta que a maioria dos animais positivos não tinha qualquer sintoma condizente com a Covid-19. Apenas alguns tinham sinais como os da gripe, e somente uma cadela apresentou sintomas mais pronunciados.

O estudo é uma colaboração do Laboratório de Biologia Molecular, do Instituto de Pesquisas Biomédicas, do Marcílio Dias; do Laboratório de Imunofarmacologia da Fiocruz; e da Clínica Rio Vet, de São João de Meriti.