Como candidata de Bolsonaro , Rosangela Gomes perdeu a metade dos votos para prefeita de Nova Iguaçu

novembro 16, 2020 /

 

*Paulo Cezar Pereira

 

Os candidatos que apostavam ser beneficiados com o apoio do presidente  Jair Bolsonaro nestas eleições fracassaram nas urnas. O “mito” é o principal derrotado do primeiro turno das eleições municipais nos grandes centros. Na Baixada Fluminese, os bolsonaristas não se sensilizaram com os apelos dos aliados do “Capitão “. Em Nova Iguaçu, quarto maior colégio eleitoral do Rio, a deputada federal Rosangela Gomes, do Republicanos, focou a campanha no atrelamento de seu nome ao de Bolsonaro e viu seus votos minguarem.

O mapa da apuração para prefeito de Nova Iguaçu, cidade que ela tentou, sem êxito, pela segunda vez, comandar, revela uma informação preocupante para os candidatos que passaram para o segundo turno com a chancela do presidente da República. Rosângela viu seus votos serem reduzidos quase à  metade: em 2016 ela obteve 38.690 votos ( 10,41% dos votos válidos ) na disputa pela prefeitura. A apuração dos votos dados a ela nesta eleição municipal mostra que a deputada, ligada à Igreja Universal do Reino de Deus,  viu diminuir sua votação para 19.791 votos ( 5,63%) , embora o partido tenha aquinhoado sua campanha com mais de R$ 1 milhão.

A preocupação de aliados como Rosangela Gomes não é apenas pela baixa votação dos candidatos mais alinhados ao bolsonarismo, como Celso Russomano (Republicanos), em São Paulo, Delegada Patrícia (Podemos), no Recife, Coronel Menezes (Patriotas), em Manaus, e Bruno Engler (PRTB), em Belo Horizonte, como pelo perfil dos partidos e dos candidatos de melhor desempenho nesta primeira rodada eleitoral. Marcelo Crivella , é importante destacar, precisou de um baita empurrão das igrejas neopentecostais para não ficar de fora da disputa do segundo turno com Eduardo Paes na disputa pela Prefeitura do Rio.

 

Candidatos de partidos de centro,como Eduardo Paes ( DEM), e os prefeitos Rogério Lisboa ( Progressistas) , de Nova Iguaçu,  Waguinho ( Belford Roxo) e Washington Reis ( Duque de Caxias), estes do MDB, ganharam ontem mais um mandato pelas ações das prefeituras que comandam. O eleitor não quis saber de voto ideológico, em esquerda ou direita, mas na continuidade da prestação de serviços básicos em setores como saúde,educação, mobilidade,transporte público. Enfim, a campanha municipal não foi contaminada por temas nacionais. Quem fez o dever de casa permanece como gestor por mais quatro anos.

 

  Lindbergh, o campeão de votos em Nova Iguaçu

É do ex-prefeito Lindbergh Farias , do PT, o maior percentual de votos obtidos pelos prefeitos que se reelegeram em Nova Iguaçu: em 2008 ele foi votado, no primeiro turno, por 65,35% dos eleitores numa disputa contra Nelson Bornier (PMDB). Bornier também ganhou duas eleições no primeiro turno: em 1996, com 56,56%, e em 2000, com 61,35%. Ontem o atual prefeito de Nova Iguaçu, Rogério Lisboa, do Progressitas, foi reeleito com 62,10%. Mas os tempos são outros hoje. O PT de Lula que reelegeu Lindbergh em 2008 conseguiu exatos 4.855 ( 1,39%) para o sindicalista Sebastião Berriel, candidato petista a prefeito de Nova Iguaçu,  na apuração oficial do TSE. E o ex-prefeito Nelson Bornier não elegeu um só vereador nesta eleição, apesar de ter pedido votos para Márcio Fonseca( PSC).

 

*Paulo Cezar Pereira é jornalista