Caso Marielle: ABI diz que Justiça não pode calar a TV Globo

novembro 19, 2018 /

A ABI qualificou como um ato de censura prévia a determinação do Juízo da 4ª Vara Criminal do Rio em proibir a TV Globo de divulgar qualquer notícia sobre a investigação do assassinato da vereadora  Marielle Franco e de seu motorista Anderson. O presidente da Associação Brasileira de Imprensa, jornalista Domingos Meirelles, afirma em NOTA OFICIAL que a entidade considera a decisão inconstitucional.

Eis a íntegra da Nota da ABI:

 

” A Associação Brasileira de Imprensa recebeu com apreensão a determinação do Juiz Gustavo Gomes Kallil, da 4ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, de proibir que a TV GLOBO divulgue informações sobre o inquérito policial que apura  o assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes. A decisão judicial viola o Artigo 5º da Constituição e representa condenável ato de censura prévia.

” Não é a primeira vez que juízes singulares afrontam a liberdade de imprensa e o livre acesso à informação, assegurados pela legislação em vigor. Acreditamos que ao acolher o pedido da Divisão de Homicídios da Polícia Civil e do Ministério Público Estadual para impedir que sejam evitados sucessivos vazamentos sobre investigações em curso, Sua Excelência equivocou-se. Responsabilizou a imprensa por falhas cometidas pelas próprias autoridades que, por dever de ofício,  deviam zelar pelo sigilo do caso.”

” As  instituições envolvidas na apuração desses crimes hediondos deviam identificar e estancar a origem desses vazamentos, ao invés de elegerem um bode expiatório para se eximirem de culpas. Não poderiam jamais comportar-se como os mandatários da Antiguidade Clássica, que sempre condenavam à morte os mensageiros portadores de más notícias”

 

DOMINGOS MEIRELLES

                                                               Presidente da ABI

.

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.