Brasileiros são infectados por duas linhagens do coronavírus ao mesmo tempo

janeiro 27, 2021 /

Co-infecção foi detectada em duas pessoas no Rio Grande do Sul e mostra que o vírus circula cada vez mais. Quadro preocupa pesquisadores

Uma pesquisa feita pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), do Rio de Janeiro, e pelo Laboratório de Microbiologia Molecular da Universidade Feevale, no Rio Grande do Sul, mostra que pelo menos duas pessoas foram infectadas por duas linhagens do coronavírus ao mesmo tempo.

Os dois pacientes de cidades diferentes no Rio Grande do Sul tiveram casos leves da doença em novembro e não precisaram ser internados. Em ambos, foi encontrada a linhagem P2, que surgiu no Rio de Janeiro e tem a mutação E484K, associada a uma melhor capacidade do vírus de escapar do sistema imunológico.

 

“A co-infecção mostra que há a possibilidade de recombinação de genomas do vírus. Esse mecanismo está na base da geração de novos coronavírus na natureza. Possivelmente, foi assim que o Sars-CoV-2 passou de morcegos para o ser humano. Esses casos do Sul mostram que a evolução do Sars-CoV-2 pode estar acelerando e são mais um sinal de alerta”, diz o virologista Fernando Spilki, coordenador do estudo, ao jornal O Globo.

A possibilidade de ser exposto a duas linhagens ao mesmo tempo mostra que o vírus está circulando livremente pelo país. O pesquisador afirma que o quadro é preocupante, pois possibilita que as variantes se combinem em pessoas infectadas e criem uma cepa ainda mais resistente.

Cepa do coronavírus encontrada no Brasil já é vista em oito países, diz OMS

 

 

A informação consta do Boletim Epidemiológico Semanal da entidade, o qual aponta que são necessários mais estudos para avaliar se essa variante traz mudanças na transmissibilidade, na severidade da doença ou para a imunização dos pacientes.

A OMS nota que, a partir de investigações preliminares em Manaus, houve um aumento na proporção de casos da cepa, conhecida como P.1, de 52,5% em dezembro do ano passado para 85,4% do total de casos na cidade em janeiro deste ano. Os números geram temores sobre seu possível potencial maior de transmissão ou de propensão a reinfecções, adverte a entidade.

 

 

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.