Após início da vacinação, país pode enfrentar crise por falta de doses

janeiro 18, 2021 /

 

“Essas doses devem durar menos de uma semana e ainda não temos previsão de reposição”, diz presidente do Conselho de Secretários de Saúde

 

Embora o país inicie ainda nesta segunda-feira (18/1) a campanha de vacinação contra a Covid-19, a expectativa é de que o processo tenha início bem devagar no país. Ao Metrópoles, o presidente do Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Saúde (Conass), Carlos Lula, afirmou que as 6 milhões de doses da Coronavac disponíveis para aplicação devem acabar rápido e não há data para reposição do estoque:

“Essas doses devem durar menos de uma semana e ainda não temos previsão de reposição”, afirmou. Ele destaca que essas doses vão vacinar “bem pouquinho” da população, cerca de 3 milhões, uma vez que cada pessoa recebe duas doses.

Ele argumenta ainda que essa quantidade será direcionada apenas aos profissionais de saúde, à população indígena e aos moradores de asilos. “E não será suficiente”, completou.

 

Vacina da Índia vai demorar a chegar ao Brasil

Jair Bolsonaro vai ficar para o fim da fila. Governo da Índia vai dar prioridade ao abastecimento de vacinas para os países vizinhos na região, incluindo Afeganistão, Butão, Bangladesh, Mianmar, Nepal, Sri Lanka e outros. Só depois o governo indiano autorizaria a exportação das doses para outros países pelo mundo, entre eles o Brasil. Também estão na fila governos da África do Sul, Marrocos e Arábia Saudita.

Não existe uma data confirmada para que a Índia possa fornecer os imunizantes ao Brasil, de acordo com fontes diplomáticas. A informação foi publicada pela coluna de Jamil Chade.

Um dos motivos para a postura do governo indiano é o sanitário. A ideia é que a Índia ajude primeiramente os países vizinhos se quiser proteger sua própria população. Também há o aspecto geopolítico. Uma concessão das vacinas a preços simbólicos para esses vizinhos reforçaria a influência indiana na região. Índia e China disputam o papel de hegemonias regionais.

 

Recado a João Dória

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira, após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) liberar o uso emergencial de duas vacinas contra a Covid-19, que a vacina é “do Brasil, não é de nenhum governador”.

A fala foi um recado velado ao governador de São Paulo, João Doria, que iniciou a vacinação ainda no domingo, sem esperar a distribuição do Ministério da Saúde — ato classificado pelo ministro Eduardo Pazuello como ilegal. O próprio presidente, no entanto, já vinculou diversas vezes a CoronaVac ao governador, chamando o imunizante inclusive de “vacina chinesa do João Doria”.

Bolsonaro, que colocou a eficácia dos imunizantes em dúvida diversas vezes, também afirmou que após a aprovação da Anvisa “não tem o que discutir mais”.

— Apesar da vacina…Apesar, não. A Anvisa aprovou, não tem o que discutir mais. Agora, havendo disponibilidade no mercado, a gente vai comprar e vai atrás de contratos que fizemos também, que era para ter chegado aqui. Então, está liberada a aplicação no Brasil. E a vacina é do Brasil, não é de nenhum governador, não — disse Bolsonaro a apoiadores, no Pálacio da Alvorada

 

 

 

 

 

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.