Anderson Torres é o novo ministro da Justiça e Segurança Pública; general Braga Neto é o mais cotado para substituir Fernando Azevedo na Defesa

março 29, 2021 /

Secretário de Segurança do DF, o delegado da Polícia Federal (PF) Anderson Torres acaba de aceitar o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir o ministério da Justiça e Segurança Pública.

Bolsonaro pediu o cargo ao ministro da Defesa após ler entrevista de general ao Correio Braziliense, informa jornal.

Presidente se irritou com entrevista do general Paulo Sérgio, que destacou medidas que impediram mortes por covid-19 no Exército.

Fontes ouvidas pelo Correio afirmam que o presidente Jair Bolsonaro pediu o cargo ao ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva.

Em nota pública, Azevedo agradeceu o tempo que permaneceu no governo, mas não deu motivos para deixar o comando da pasta. A saída dele pegou de surpresa os setores político, as Forças Armadas e o Supremo Tribunal Federal (STF).

“Agradeço ao Presidente da República, a quem dediquei total lealdade ao longo desses mais de dois anos, a oportunidade de ter servido ao País, como Ministro de Estado da Defesa. Nesse período, preservei as Forças Armadas como instituições de Estado”, afirmou no texto.

Para evitar mortes, a força-terrestre adotou campanhas maciças de distanciamento social, uso de máscaras, isolamento, testagem em massa para evitar contaminações nos quartéis e investiu pesado em logística para garantir suprimentos hospitalares e equipes médicas nos 60 hospitais da força.

Além disso, o protocolo do Exército prevê o uso de medicamentos recomendados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária para tratar doentes internados. O uso de hidroxicloroquina, azitromicina, e outros remédios sem eficácia científica comprovada contra o coronavírus não são indicados, e se prescritos pelo médico do meio militar, devem ser utilizados após assinatura de termo de responsabilidade pelo paciente.

Nos bastidores, fala-se que o presidente pode indicar ao cargo o atual ministro da Casa Civil, general Braga Netto. A demissão de Azevedo gera incômodo no meio militar.

Bolsonaro demite ministro da AGU

O presidente Jair Bolsonaro demitiu nesta segunda-feira o ministro José Levi, da Advocacia-Geral da União (AGU). O titular da Justiça, André Mendonça, vai retornar à AGU, cargo ocupado até abril do ano passado. Para a Justiça, o mais cotado é o secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres.

Mendonça substituirá o advogado-geral da União José Levi, que foi demitido nesta tarde. O presidente ficou incomodado, porque o ministro não assinou a ação que o Executivo ingressou no Supremo Tribunal Federal (STF) para impedir governadores de adotarem medidas restritivas de circulação durante o agravamento da pandemia da Covid-19. O pedido, apresentado há dez dias, levou a assinatura apenas de Bolsonaro.

 

 

 

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.