Secretário de Imprensa dura seis dias com Bolsonaro

agosto 14, 2019 / Sem categoria

Não durou seis dias a nomeação de Bolsonaro para a Secretaria de Imprensa. Paulo Fona foi exonerado nesta terça-feira (13/08) do cargo. A decisão pegou o próprio jornalista de surpresa: “O desafio era imenso, sempre soube, mas esperava maior profissionalismo, o que não encontrei. Em todos os governos que passei de diferentes partidos – MDB, PSDB e PSB – sempre trabalhei com o objetivo de tornar a comunicação mais ágil, eficiente e transparente e leal às propostas da gestão”.

A reportagem do site Metrópoles destaca qe “Fona foi chefe de Comunicação do GDF nos governos de Joaquim Roriz e de Rodrigo Rollemberg. Com a derrota do socialista nas urnas no ano passado, acabou nomeado assessor parlamentar júnior na liderança do PSB no Senado. Entre 2007 e 2009, atuou como secretário de Comunicação e porta-voz do governo do Rio Grande do Sul, durante o mandato de Yeda Crusius (PSDB).”

A matéria ainda acrescenta que “em nota, o jornalista disse que foi convidado para assumir a Secretaria de Imprensa no mês passado e alertou o Palácio do Planalto do ‘meu histórico e minha postura profissional e a intenção de ajudar na melhoria do relacionamento com a mídia em geral’.”

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.