Professora lança livro em Nova Iguaçu destacando ajuda da dança solta no combate à depressão

maio 21, 2019 /

 

Apaixonda por crianças, a professora aposentada do Ensino Fundamental Cristina Castinheiras Tobias, carioca de Vila Isabel,  decidiu lançar seu primeiro livro em Nova Iguaçu, no próximo sábado (25), às 15 horas. A escolha do local, no Shopping Vianense ( Rua Dr. Thibau, 80/501), sede da Ong Fazendo o Bem, tem tudo a ver com sua história de vida recente. Ela conta em Destampando a panela de pressão como foi conviver e vencer a depressão. No livro, ela fala da importância da dança solta e do grupo das Soltarinas, mulheres de todas as idades que, comandadas pela bailarina, coreógrafa e professora Simone Vianna, são um sucesso à parte nos salões de Nova Iguaçu e em outras cidades do Rio. Na última sexta-feira, elas fizeram a festa no show do Dr. Silvana na Real Paladar.

Segundo dados recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão afeta 322 milhões de pessoas no mundo. Em dez anos, de 2005 a 2015, esse número cresceu 18,4%. E esse total, que representa cerca de 5% da população mundial, só deve aumentar com o tempo, fazendo com que a doença se torne a segunda maior preocupação em termos de saúde pública no planeta.

Quando nos voltamos ao Brasil, temos 5,8% da população sofrendo de depressão, ou seja, um total de 11,5 milhões de brasileiros. Ainda de acordo com a OMS, entre os países da América Latina, o Brasil é o que possui maior número de pessoas em depressão.

Para vencer a depressão, Cristina Tobias, casada, duas filhas e um neto, tempos atrás foi diagnosticada com depressão. Ela resolveu, estimulada por sua  psicóloga, a registrar seus sentimentos e foi relatando o processo “como uma catarse”, um processo paralelo às sessões de terapia.
– Escrever sempre foi muito prazeroso pra mim e a dança sempre esteve presente em minha vida e , no processo de superação da depressão, foi um divisor de águas .
Foi um resgate que trouxe um vigor, um ânimo novo e uma leveza incalculáveis!
Cristina Tobias destaca que foi muito interessante a forma com que a dança solta e as Soltarinas lideradas por Simone entraram em sua  vida.

– Foi numa festa surpresa  de aniversário  que meu marido teve a ideia de chamar o grupo para se apresentar para mim.Ele sabia o quanto eu apreciava os vídeos das aulas da Simone .

Eu já gostava do jeito da Simone conduzir a dança sem nem mesmo conhecê-la pessoalmente.Sentia nela, o mesmo prazer que eu tinha com a dança.
Este encontro foi tão especial, tão especial, que me levou a narrar a segunda parte do livro que trata da superação da depressão e da vida nova que surgiu com as novas descobertas. E assim surgiu o meu primeiro livro – contou a autora de Destampando a panela de pressão.

Simone Vianna, a professora de dança solta, recorda que Cristina Tobias acompanha o trabalho com as Soltarinas pelo Youtube: “O marido dela entrou em contato comigo via Facebook e lá fomos nós”, disse Simone ao lembrar que levou um número grande de soltarinas à festa surpresa para Cristina no Rio.

O livro será será lançado pela Editora Litteris, com direito a uma palestra, e custa R$ 30,00. Cristina sugere a doação de donativo para a ONG: um quilo de alimento não perecível. A confirmação de presença será feita pelo telefone 98869-6402 ( WhatsApp)

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.