Prefeitura de Nova Iguaçu leva contribuinte ao calvário para emitir alvará definitivo, critica Jorge Miguel, Delegado do CRC

junho 7, 2019 /

 

Enquanto muitos municípios avançam na informatização e desburocratização do seus procedimentos,  o município de Nova Iguaçu ainda se arrasta ao manter o velho jargão do papel,  na base do só vale o que esta escrito. Para Jorge Miguel de Moura, Delegado do Conselho Regional de Contabilidade na Baixada Fluminense,   o calvário para se emitir um alvará definitivo no município pode se perdurar por alguns meses ou até um ano

.  Na atual administração, o contribuinte de qualquer atividade só consegue ter o alvará definitivo após  passar um longo periodo com o provisório. Representante do Comitê  Gestor de Integração do Registro Empresarial ( COGIRE),  Jorge Miguel, um dos profissionais de contabilidade mais respeitados da região, destaca aque  a Resolução JUCERJA/COGIRE nº 4 , de 27/03/2019, elencou as atividades de baixo risco dispensadas da burocracia para emissão de seus alvarás de localização, as quais representam mais de 90% das atividades.

A mesma Resolução cria o Alvará Eletronico Automatizado. Apesar de o alvará de funcionamento não ser um meio de receita municipal, ele impacta diretamente na geração de empregos. Neste momento , Nova Iguaçu é uma das cidades do Rio de Janeiro com um dos mais elevados índíices de desemprego. Quase dois milhões de pessoas estão desempregadas nas 92 municípios fluminenses, a maioria jovens.

– Quanto mais rápido for a legalização do estabelecimento, maior será a geração de emprego e renda , com reflexos positivos na arrecadação municipal,”observa Jorge Miguel.  A Junta Comercial do Rio de Janeiro (Jucerja ) hoje está legalizando uma empresa em até 2 horas, fato inédito para o nosso Pais, pois somente com a abertura de novas empresas poderemos fomentar a economia do nosso Estado, acrescenta o Delegado do Conselho Regional de Contabilidade numa crítica direta à burocracia na Prefeitura de Nova Iguaçu.

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.