Política fluminense perde Pereirinha (69 anos). Colegas e ALERJ lamentam a morte do querido jornalista

março 18, 2019 /

 

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro lamenta o falecimento do jornalista José Pereira da Silva, o Pereirinha, que há anos fazia a cobertura da Casa para diversas publicações. Natural de Alagoas, onde nasceu, em 1949, Pereirinha trabalhou em diversas redações do Rio de Janeiro, como O Dia, O Fluminense, Folha de São Paulo e Jornal do Commercio. Neste último, foram mais de 20 anos cobrindo a política fluminense e a Alerj. Também foi assessor de imprensa do Sindicato dos Comerciários, diretor do Sindicato dos Jornalistas do Estado do Rio de Janeiro e conselheiro da ABI (Associação Brasileira de Imprensa), na gestão de Maurício Azedo. Nos últimos tempos assinava, com Ronaldo Ferraz, a coluna Alerj e a Política Fluminense, no Jornal de Hoje. Casado, pai de quatro filhos (dois já falecidos), 70 anos, Pereirinha sofreu um infarto no domingo, quando se recuperava de um AVC recente. À família de Pereirinha e aos colegas da Sala da Imprensa da Alerj manifestamos nosso pesar. Pereirinha m orreu de infarto, ontem à noite, dias após, dias após sofrer um aAVC. Seu corpo será sepultado às 17 hs de hoje no cemitério de Nossa Senhora da Paz, em São Gonçalo.  Pereirinha teve quatro filhos ( dois já falecidos).

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.