Padre Marcelo Rossi perdoa mulher que o empurrou do palco durante a missa na Canção Nova

julho 15, 2019 /

Uma mulher invadiu uma missa realizada pelo padre Marcelo Rossi neste domingo, 14, e o empurrou do palco. A celebração acontecia na comunidade católica Canção Nova, na cidade de Cachoeira Paulista (SP). Apesar da queda, o padre não ficou ferido. A mulher foi contida pela Polícia Militar.

Marcelo Rossi estava no local para a missa de encerramento do acampamento “Por Hoje Não” (PHN). Por volta das 14h50, a mulher, que participava do evento, conseguiu furar a segurança, invadiu o palco por trás e empurrou o padre, que caiu da estrutura (Veja o vídeo abaixo).

Após a queda, Marcelo Rossi voltou ao palco, rezou uma Ave Maria, e disse “amados, vocês viram como o demônio me odeia”. “Doeu, mas preste bem atenção, eu justamente ia falar sobre dor, mas não imaginava que ia ser assim”, completou, antes de iniciar outra Ave Maria. “Se o inimigo achou que eu não ia falar, ele perdeu, porque Maria me segurou”, afirmou o padre.

Depois da missa, Marcelo Rossi gravou um vídeo, divulgado nas redes sociais, no qual informa que não se feriu e está “ótimo”. “Canção Nova, glória a Deus, Maria passou na frente e pisou na cabeça da serpente. Estou ótimo. PHN 2020, vai ser o nosso lema: Maria passa na frente e pisa na cabeça da serpente. Fiquem tranquilos, tudo bem, só umas dorzinhas, isso é normal, não quebrou nada. Amém”, disse o padre.

 

 

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.