No Jornal Nacional, Globo responde áudio de Bolsonaro para Bebianno

fevereiro 20, 2019 /

A revista Veja vazou ontem (19)uma série de mensagens de áudio trocadas via WhatsApp entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência da república. Em uma delas, o presidente reclama de um encontro entre Bebianno e Paulo Tonet, da Globo. A emissora carioca utilizou o Jornal Nacional para se defender.

“Gustavo, o que eu acho desse cara da Globo dentro do Palácio do Planalto: eu não quero ele aí dentro. Qual a mensagem que vai dar para as outras emissoras? Que nós estamos se aproximando da Globo. Então não dá para ter esse tipo de relacionamento. Agora… Inimigo passivo, sim. Agora… Trazer o inimigo para dentro de casa é outra história”, afirma Bolsonaro no áudio.

Os áudios foram repercutidos tanto na Globo como na Record, sendo ignorados por RedeTV! e SBT. No Jornal Nacional, principal telejornal do Brasil, o âncora William Bonner leu ao vivo a declaração da emissora carioca sobre o ocorrido.

“O Grupo Globo considera que não tem nem cultiva inimigos. A própria natureza de sua atividade jamais permitiria qualquer postura em contrário. Hoje, como sempre, sua missão é levar ao público jornalismo independente, dando transparência a tudo o que é relevante ao país, e entretenimento de qualidade. O Grupo Globo continuará a trabalhar nessa mesma direção”, afirmou Bonner.

O âncora seguiu, comentando que o encontro de Bebianno com Tonet, vice de Relações Institucionais do Grupo Globo, já havia sido divulgada pela internet.

“As visitas dos diretores do Grupo Globo a autoridades de diferentes poderes, servidores públicos, executivos de empresas e representantes da sociedade civil são rotineiras. E, nesse aspecto, o Grupo Globo não se diferencia de outros grupos empresariais que pretendam ouvir todas as vozes de uma sociedade livre, de forma transparente e com uma agenda pública, mantendo relações republicanas”, disse Bonner.

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.