Dr. Luizinho recebe especialistas de renome para debater a Tabela SUS

agosto 14, 2019 /

É unanimidade entre eles que a modernização da tabela vai ajudar a melhorar o atendimento em saúde pública no país

BRASÍLIA – O deputado federal Dr. Luizinho recebeu nesta terça-feira (13.08) especialistas do cenário internacional na Câmara dos Deputados para debater a atualização da Tabela SUS, que precifica procedimentos pagos pelo SUS a médicos e unidades privadas e filantrópicas conveniadas. Entretanto, sem atualização de procedimentos e defasada financeiramente (alguns procedimentos não sofrem reajustes há 23 anos), a tabela se tornou um problema para o sistema de saúde pública, que atende mais de 80 milhões de brasileiros.

O deputado Dr. Luizinho, que também é ortopedista, exemplificou a defasagem da Tabela SUS no procedimento de artroplastia do joelho, que é a substituição da articulação por uma prótese.

– É impensável que a tabela estabeleça R$ 1.5 mil para aquisição de órteses e próteses e remunere toda a equipe cirúrgica com R$ 271,00. Desta forma não é possível fazer nenhum procedimento no Brasil – afirmou.

Henrique Prata, presidente do Hospital de Amor, antigo Hospital do Câncer de Barretos foi incisivo ao afirmar que o congelamento da Tabela SUS é manipulado pela medicina privada.

Deputado Luizinho e Henrique Prata

– A mísera Tabela SUS faz o pobre morrer na fila de espera. É impossível acreditar que um médico formado vai receber R$ 10 por consulta ou R$ 120 por uma cesárea. Quase todos os serviços do SUS estão nas mãos da medicina privada, exames de imagem, que são rentáveis são fornecidos por eles, através dos convênios. Em nossos hospitais fazemos o certo, mas todos os meses faltam R$ 26 milhões entre o que a Tabela SUS paga e o nosso custo real.

Presidente da Organização Nacional de Acreditação (ONA), Cláudio Allgayer destacou que no Brasil a saúde movimenta 9% do PIB e emprega mais de dois milhões de profissionais, o mercado brasileiro em saúde é o 8º maior do mundo com uma rede composta por 6,7 mil hospitais.

– Não adianta apenas aumentarmos os valores da Tabela SUS sem mudar a sistemática. O novo sistema de relacionamento do SUS com os prestadores de serviço precisa estar alinhado com o conceito de valor em saúde. A saúde não pode ser apenas vista como uma missão, mas também como uma atividade econômica que precisa ser valorizada. A pertinência de um procedimento deve ser avaliada com todo o cuidado – acrescentou o especialista.

Também estiveram presentes na audiência Emílio César Zillig , representante da Sociedade de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro, Miyuki Goto, da Associação dos Médicos do Brasil e Maria Inês Gadelha, representante do Ministério da Saúde.

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.