Deputados federais gastam mais de R$ 2 milhões com verbas para viagens internacionais

julho 16, 2019 /

Entre janeiro e julho, a Câmara dos Deputados desembolsou R$ 2,6 milhões com passagens aéreas internacionais, diárias e adicionais de embarque (para cobrir despesas com deslocamento até o aeroporto e hotéis). Nesse período, 134 deputados viajaram para mais de 40 cidades em todos os continentes.

De acordo com os dados obtidos pelo Estado de Minas por meio da Lei de Acesso à Informação, no primeiro semestre deste ano a Câmara desembolsou R$ 1.197.388,09 com compra de passagens aéreas, R$ 1.326.308 com diárias e mais R$ 151.948,86 com adicional de embarque. O total gasto até o momentos é de R$ 2.675.644,95 e representa mais de 70% do que foi gasto com viagens internacionais entre janeiro e dezembro de 2018. No ano passado a Câmara desembolsou R$ 3,6 milhões com viagens internacionais de parlamentares.

O deputado que mais viajou no período foi Cleber Verde (PRB-MA), que participou de quatro missões oficiais entre abril e junho (Las Vegas, Punta Cana, Nova York e Kourou – na Guiana Francesa), com gasto total de R$ 44 mil com passagens, diárias e adicionais de embarque. Em seu quarto mandato na Câmara, Cleber é titular na Comissão de Ciência e Tecnologia.

Além disso, quatro deputados que não foram reeleitos nas eleições do ano passado estão na relação dos parlamentares que viajaram para fora do Brasil em 2019. Dentre eles, Antônio Goulart (PSD-SP) e Odorico Monteiro (PSB-CE).

Viagens canceladas

As viagens oficiais de parlamentares são regulamentadas pelo Ato da Mesa 31/2012. Todos os pedidos de viagem para o exterior são autorizados pelo presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM-RJ). Na lista das viagens feitas neste semestre não estão incluídas aquelas que não tiveram custos aos cofres públicos. O presidente da Casa, por exemplo, participou de duas missões internacionais em 2019 (Estados Unidos e Israel) mas, segundo a assessoria de imprensa da Presidência, ele não gastou com diárias e viajou nos aviões da Força Aérea Brasileira (FAB), sem usar passagens aéreas.

No final de junho, na tentativa de garantir quórum mínimo para a votação da reforma da Previdência, Maia afirmou aos deputados que iria barrar todos os pedidos de viagens nacionais e internacionais de parlamentares após o feriado de Corpus Christi, no ia 20 junho. “O quórum da Casa tem que estar perto de 500 deputados. Já estou cancelando viagens dos deputados. Todos os pedidos estão sendo negados para que a gente possa, a partir de 20 de junho, voltar a ter o quórum de 500, 505 deputados”, afirmou o presidente. A avaliação de Maia se mostrou acertada: na semana passada, 510 deputados estiveram no Plenário durante a votação da Previdência.

Aloma Carvalho