Dados do Caged aponta o total de 43 mil vagas de emprego formais no Brasil

abril 24, 2019 /

Levantamento mostra o maior resultado negativo desde 2017

O Brasil fechou o pior resultado de vagas de emprego formais, em comparação ao mês de março de 2017. De acordo com os dados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) divulgados nesta quarta-feira (24), em março deste ano, o país fechou um total de 43.196 vagas.

O levantamento veio abaixo da expectativa do mercado. Superando a baixa do resultado de março de 2017, quando o resultado negativo resultou em 63.624 empregados com carteira assinada. De acordo com o centro de estimativas da agência Bloomberg, para 2019, era esperado a geração de mais 80 mil vagas de emprego.

Os números do governo mostram que, dos oito setores da economia analisados, cinco tiveram suas vagas fechadas. Tendo no comércio o pior resultado, com 330.121 vagas fechadas, e no setor o melhor, com 4.572 postos abertos.

Nenhuma região brasileira teve um bom desempenho. Com o maior saldo negativo está o Nordeste, com menos 23.728 vagas, e com o menor está o Centro-Oeste, com menos 1.706.

Para o secretário do Trabalho, Bruno Dalcomo, o resultado negativo não significa um pessimismo com a retomada econômica no Brasil, atribuindo o fato dos 173.139 postos com carteira assinada criados em fevereiro.

“Eu imagino que tenha a ver com a confiança dos empresários. Provavelmente, a demanda foi aquecida o suficiente para que os empresários mantivessem os trabalhadores contratados e atrasassem as demissões de fevereiro para março”, afirmou.

Para o governo, a reforma da Previdência, aprovada nesta terça-feira (24), pode melhorar a expectativa dos empresários e favorecer o retorno de investimentos, assim como as contratações.

Aloma Carvalho