Central de Regulação do SAMU Baixada amplia suas funções na regulação da urgência e emergência com a Central Vaga Zero

julho 9, 2019 /

A Baixada Fluminense deu mais um importante passo na estruturação da urgência e emergência. Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (09), na sede do Cisbaf, foi acordada a implantação das funções da Central Vaga Zero. Semelhante a do município do Rio, o consórcio funcionará em sintonia com a Central de Regulação do Samu 192.

O Cisbaf terá um mês para a elaboração do projeto, com definição da estrutura, recursos de investimento e humanos necessários. Projeto será apresentado para pactuação e aprovação no final de agosto na reunião da CIR – comissão Intergestores Bipartite.

A secretária executiva do Cisbaf, Rosangela Bello, fez um resumo da reunião ocorrida com o secretário estadual de Saúde, Edmar Santos, prefeitos e secretários municipais de Saúde, no dia 02, no consórcio. Bello citou os principais pontos abordados, como o projeto de construção pelo governo do estado de um hospital de trauma no eixo da Via Dutra, o cofinanciamento para diversas áreas da saúde, o estudo para contratualização de leitos de retaguarda, a otimização da rede de urgência e emergência existente, além da ampliação da cobertura da atenção básica como eixo norteador, dentre outros.

“Sabemos da enorme carência de leitos na Baixada e, a partir do momento em que esgotarmos os recursos da região, como vamos acessar a rede estadual e do município Rio de Janeiro?”, indagou o coordenador da Urgência e Emergência da SES-RJ, Eduardo Lenine. Daí surge a necessidade de dotarmos a Central de Regulação do Samu com as informações atualizadas das portas de entrada para melhor regular os equipamentos existentes, otimizando os recursos.

O superintendente de Unidades Hospitalares Estaduais, José Perrota de Carvalho propôs a elaboração urgente dos protocolos para a regulação vaga zero – quando o paciente se encontra em uma unidade de saúde que não dispõe dos recursos com a complexidade necessária e precisa de um leito em unidade com maior infraestrutura –, e destacou a responsabilidade de os municípios investirem na atenção básica.

O superintendente de Regulação do município do Rio de Janeiro, André Vaz, a promotora da 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Saúde da Metropolitana I, Isabel Kallmann, os secretários de Saúde de Mesquita, Emersom Trindade, de Nilópolis, Claudio Moraes, de Seropédica, Carlos Graça, o subsecretário de Urgência e Emergência de Nova Iguaçu, Christian Ferreira, o superintendente de Urgência e Emergência de Nova Iguaçu, Ney Cerqueira Junior, coordenadores municipais da urgência e emergência, diretores dos hospitais da região, e equipe técnica do Cisbaf estiveram presentes.

Aloma Carvalho