Cabral diz a Bretas que recebeu R$ 30 milhões de propina e Caixa 2 do ” Rei Arthur” e envolve Paes e Lindberg Farias

julho 1, 2019 /

O ex_ governador Sérgio Cabral informou ao juiz Marcelo Bretas , da J7º Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, durante depoimento no seu 2º processo,  que o empresário Arthur Soares, o ” Rei Arthur”, lhe pagou cerca de R$ 30 milhões de propina e Caixa 2 quando comandava o Palácio Guanabara. Cabral, que já foi condenado a mais de 200 anos de prisão em diversos inquéritos que apuraram corrupção em seus dois mandatos de governador, disse que o dinheiro foi usado nas campanhas do ex_prefeito Eduardo Paes, na época, em 2008, pelo PMDB, e do ex_Senador Lindberg Farias ( PT). Segundo Cabral, o falecido governador Marcelo Alencar, do PSDB, e o casal Anthony e Rosinha Garotinho também foram beneficiados pelo empresário, um dos fornecedores que mais fez negócios com vários governos estaduais. O dinheiro da propina no período do casal Garotinho era articulado por Jonas Lopes, ex_ Secretário da Casa Civil. Jonas, mesmo após ter sido eleito para o TCE_RJ pela Alerj quando Cabral presidiu o parlamento fluminense, continuou operando a propina do “Rei Artur” para o Palácio Guanabara em troca de recursos de várias secretarias estaduais, particularmente na Saúde.

Paulo Cézar

PAULO CEZAR PEREIRA, também chamado de PC ou Paulinho da Baixada, aprendeu jornalismo nas redações de alguns principais veículos – rádios,jornais e revistas. Conheceu, como Repórter Especial do GLOBO, praticamente todos os estados brasileiros, as duas antigas Alemanhas antes da reunificação, Suiça, Austria, Portugal, França, Itália, Bélgica, Senegal, Venezuela, Panamá, Colômbia e a Costa Rica. É casado com Ana Maria e tem três filhas que já lhe deram cinco netos. Tem três paixões: a família, o jornalismo e o Flamengo. No passado, assessorou um governador, um senador, dois prefeitos e vários deputados. Comandou a área de Comunicação de Nova Iguaçu num total de 12 anos. Já produziu três livros : um para a Coleção Tiradentes, outro contando a evolução de Nova Iguaçu quando a cidade completou 170 anos, e o do jubileu de ouro da Diocese de Nova Iguaçu.