Ano inicia com expectativas positivas de andamento de pleitos regionais fluminenses

fevereiro 19, 2020 /

Um Rio de Janeiro de circulação livre, onde as cargas vêm e vão sem riscos, tudo interligado por uma logística alinhada a eficientes políticas de segurança pública. São alguns dos frutos que a Firjan busca colher em breve, após reunir os principais pleitos das regiões fluminenses. Resultado de um levantamento realizado junto aos empresários da Região Metropolitana e Interior, o conjunto de demandas foi levado ao Congresso Nacional no fim do ano. A iniciativa visa impulsionar os caminhos que levam à retomada do desenvolvimento socioeconômico. A ida da delegação de representantes de cada localidade a Brasília ainda contou com reunião com o presidente Jair Bolsonaro.

A intensificação do combate ao roubo de cargas foi uma solicitação em comum da Baixada e do Leste Fluminense. O Rio é o estado com maior índice desse crime no país, registrando uma ocorrência por hora; e o Leste enfrenta o número mais elevado de casos, não obstante a queda registrada ao longo de 2019. Em novembro, por exemplo, a redução foi de 29%, em relação ao mesmo período do ano anterior, mas os números continuam altos.

“É fundamental a Firjan promover encontros como esse, levando a voz do empresariado fluminense até a Presidência da República e ao Poder Legislativo. A federação conhece a realidade do estado do Rio e as dificuldades das empresas”, observa Luiz Césio Caetano, presidente da Firjan Leste Fluminense.

Entre as conquistas esperadas no curto prazo está a aprovação do novo marco regulatório do saneamento básico, votado pela Câmara dos Deputados em regime de urgência no fim de 2019 e em análise no Senado neste início de ano. Essa agenda, incluída entre os pleitos unificados da Baixada, é capaz de impulsionar investimentos e gerar empregos e, ao mesmo tempo, reverter o quadro sanitário atual – o Rio de Janeiro está no mesmo patamar que o Equador: apenas 68% do esgoto são coletados e, destes, somente 36% são tratados.

A concessão do Arco Metropolitano à iniciativa privada é outra solicitação da Firjan Caxias e Região e da Firjan Nova Iguaçu e Região, com potencial de beneficiar todo o estado. A medida alia a prevenção ao roubo de caminhões à melhoria nas condições da infraestrutura da rodovia, que hoje encontra-se em processo de sucateamento, sem fiscalização e com ocupações desordenadas. O governo federal pretende incorporar essa concessão à licitação da BR-116, trecho Rio-Teresópolis, prevista para este ano.

“A Baixada Fluminense vive um período muito difícil, assim como o estado do Rio de um modo geral. Falta infraestrutura e segurança. O Arco Metropolitano, que foi uma conquista da Firjan e da sociedade, está completamente abandonado. É preciso que as autoridades federais, estaduais e municipais se unam para salvar o Rio. A Firjan se propõe a fazer essa ponte entre os governantes. Tivemos um grande prejuízo com a mudança da capital para Brasília e ficamos sem compensação”, analisa o empresário Carlos Erane de Aguiar, presidente da Firjan Nova Iguaçu e Região.

Portos e respectivos entornos também foram itens listados como prioridades. Para o Norte e o Leste Fluminense, a construção da Ferrovia Rio-Vitória (EF-118) foi um dos destaques das medidas defendidas pela regional. A linha férrea é considerada essencial para elevar a competitividade do Complexo do Açu, em São João da Barra, maior porto privado do país, com ampla área para instalação de empresas de diversos setores. A federação reivindica que a construção tenha início pelo lado fluminense em função do potencial de carga superior ao trecho do Espírito Santo.

RODOVIAS EM XEQUE

Os pleitos relativos a rodovias foram a temática mais frequente na listagem. O Norte e o Leste Fluminense cobram o término da duplicação da BR-101, interrompida em alguns trechos devido a contrapartidas ambientais de difícil cumprimento e que oneram sobremaneira a obra. A Região Serrana e a Baixada reiteram a necessidade de a nova concessão da BR-040 contemplar a construção da nova pista de subida, além da urgência na retomada da manutenção da rodovia.

A Firjan ressalta que, como o estado precisa cumprir as medidas do Regime de Recuperação Fiscal, a previsão é que o total de investimentos do governo fluminense alcance R$ 18,5 bilhões numa projeção até 2026, volume bem abaixo do necessário. Logo, é fundamental o investimento direto do governo federal no Rio. O estudo calcula serem necessários R$ 22 bilhões de aporte da União no estado.

CONHEÇA OS PLEITOS POR REGIÃO

Baixada

• Redução do roubo de carga

• Concessão do Arco Metropolitano

• Ampliação dos serviços de saneamento básico

• Nova licitação da BR-040, prevendo construção da nova pista de subida

Leste

• Dragagem do Canal de São Lourenço

• Redução do roubo de carga

• Porto do Forno em pleno funcionamento

• Construção da EF-118 (Rio-Vitória), iniciando pelo lado fluminense

Aloma Carvalho