Alunos da rede municipal de Queimados terão livros expostos na Bienal

agosto 30, 2019 /

Um simples trabalho escolar de língua portuguesa vai marcar a vida de 62 alunos da Escola Municipal Professor Washington Manoel de Souza, em Queimados. Em uma iniciativa inédita no município, estudantes de duas turmas do 6º ano da unidade exporão obras de sua autoria na 19ª edição da Bienal Internacional do Livro a partir das 15h deste sábado (31), no Riocentro (Avenida Salvador Allende, 6555, Barra da Tijuca).

Os pequenos escritores do projeto “Tarde de Autógrafo com o 6° ano” estarão compartilhando suas experiências no maior evento literário do país no stand 67 (Espaço Paulo Freire), junto à orientadora educacional Cilene Cavalcanti, que estará expondo a obra “Lygia Bojunga e suas histórias”.

Aluna Rayane Pessoa, uma das participantes do projeto

Alinhada ao tema gerador proposto pela Secretaria Municipal da Educação no último ano letivo, a ideia surgiu durante as aulas de português ministradas pela docente Vanessa do Vale. Ao lecionar sobre gêneros textuais e inspirada pela biografia do escritor Ziraldo, a professora motivou os alunos a elaborarem um texto sobre suas histórias de vida. Ela afirma que, apesar de alguns alunos desconhecerem o autor, sua obra “O Menino Maluquinho” era familiar à maioria.

“O resultado deste projeto foi bastante positivo, pois além de trazer à tona diversas lembranças por parte dos alunos junto aos seus familiares, também proporcionou a todos os envolvidos um estímulo de suas potencialidades acadêmicas e pessoais, contribuindo desta forma para um aprendizado significativo em busca do objetivo maior que é a cidadania plena”, contou a educadora.

Em uma das etapas finais do trabalho, uma tarde especial de autógrafos junto à comunidade escolar foi realizada na unidade. Uma das participantes a mergulhar no mundo da escrita foi Rayane Pessoa (13). Animada com a perspectiva de mostrar sua criação ao público da Bienal, a jovem autora conta mais sobre a experiência adquirida graças ao projeto: “Gostei muito de contar a minha história. As pessoas precisam saber quem é a gente, mas nunca pensei que minha vida viraria um livro. Estou muito feliz por fazer parte deste momento”, relatou a moradora do bairro Nova Cidade.

Aloma Carvalho